Ervas Medicinais / Plantas medicinais

As Famílias Botânicas

Os Nomes das Famílias Botânicas, por Gerdaff Lóra


By Geraldo M. Pereira

Gerdaff Lóra, por Maria Arizono Akagi*

Fonte: https://www.curvelofaunaeflora.com.br/2017/09/os-nomes-das-familias-botanicas-por-gerdaff-lora.html

Falar desta pessoa é muito fácil…
Ele é o amigo que todos deveriam ter, está sempre pronto a ajudar, tem sempre a palavra certa para todas as ocasiões, se é algum problema, ajuda a solucionar com sua experiência e sabedoria, se é alguma dúvida, pode perguntar que ele saberá elucidar, se você tem alguma alegria, alguma comemoração, pode dividir com ele, ou melhor, com ele os sentimentos se multiplicam, ele irá vibrar e comemorar com você. Se o seu coração estiver aflito, se existir algum temor ameaçando a sua paz, pode contar com a orientação espiritual de alguém muito esclarecido e seguro de suas convicções… 
Seu conhecimento em Botânica é simplesmente incrível. Eu, que sempre gostei de natureza, de plantas, de fazer trilhas, passei a fazer tudo com outros olhos, os olhos da curiosidade, da vontade de conhecer mais, de saber os nomes, as identificações das plantas. Mas o seu conhecimento não se limita às plantas, sabe muito sobre insetos, aves e vida selvagem…
Saber a nomenclatura não se limita a decorar o nome, mas conhecer a essência da palavra, o porquê daquele nome, a morfologia e, para tanto, é necessário conhecer latim e grego, pois ele conhece…
Não gosta que eu o chame de mestre, mas é o que ele é, meu mestre. Mais do que mestre, meu mestre-amigo.
Que bom que temos meios de comunicação instantâneos, que maravilha poder conversar com ele, esteja ele onde estiver (com acesso à internet, é claro). Que bom que ele está morando agora na mesma cidade que eu …
Estou falando , do meu querido amigo Hugo Arruda Castanho Junior, também conhecido por Gerdaff Lóra…

Quando ele se mudou para um apartamento em São Paulo, ganhei quase todas as plantas dele : uma coleção de orquídeas e muitas plantas lindas e diferentes…

A publicação

Desde que começou a publicar em redes sociais uma série sobre o que querem dizer os nomes das famílias botânicas Gerdaff Lóra – pseudônimo do pluralista Hugo Arruda Castanho Junior – cativou a curiosidade de diversas pessoas que de uma forma ou outra tinham contato com aqueles termos duros, que dão um nó na cabeça quando levados à interpretação. A fama das postagens correu, muito pelo modo como elas foram tratadas, mergulhando o leitor de forma objetiva na origem da palavra. Assim, ainda no ano de 2015, quando da primeira publicação, solicitei a Gerdaff Lóra a autorização para publicar todas as postagens de modo conjunto aqui no Curvelo Fauna e Flora. Muito solicito, autorizou de pronto. Havia no entanto um problema: como eram feitas divididas muitas das postagens eu tinha perdido. O projeto foi então engavetado. Eis que no corrente 2017 as publicações retornam e recomeço então a todo vapor as pesquisas, mantendo o cerne das postagens originais, porém adicionando outras informações que considerei úteis, como links para publicações que tratam sobre a família botânica, o autor que fez a descrição do taxa e a ilustração com fotos de minha autoria de espécies conforme a família. Espero que o resultado esteja a altura da grandeza e receptividade que teve nas publicações nos grupos de identificação botânica.
Geraldo M. Pereira**

Importante:

  1. Alguns dos nomes apresentados podem estar em desuso, alguns mais recentes podem estar ausentes dessa publicação, esse fato se baliza na constância das pesquisas ora em curso mundo afora e jamais será uma publicação completa; quando possível, as lacunas serão preenchidas.
  2.  O número de gêneros e espécies constantes nas famílias são variáveis, podendo haver a inclusão ou exclusão conforme são realizados e divulgados novos estudos.
  3. Como esta publicação é sua quase totalidade baseada na obra de Hugo Arruda Castanho Junior, muitas vezes algumas colocações são apresentadas de modo pessoal e despojado, fugindo das amarras do rigor científico.
  4. Para enriquecer ainda mais a publicação foram incorporados links com informações específicas em determinados termos.
*Maria Arizono Akagi:  Sou formada em Arquitetura e Urbanismo pela FAUUSP. Sempre gostei de plantas, fazer trilhas e, mais recentemente, estudar identificação Botânica.Tive Paisagismo como matéria obrigatória e, depois, fiz todas as optativas oferecidas pelo curso nessa área. Uma das coisas que me proporciona o convívio com a natureza e viagens com trilhas é o escotismo. Faço parte do movimento escoteiro e atuo no Grupo Escoteiro Falcão Peregrino.
**Geraldo M. Pereira: Tenho por diversão a fotografia de natureza, as publicações do Curvelo Fauna e Flora e a vontade de sempre aprender e compartilhar conhecimento. Além disso, espero que se divirta também.

“MEUS AMIGOS

Se você perdeu a listagem dos nomes das famílias botânicas com seus significados etimológicos e prosódia (pronúncia, entonação) não se preocupe. A lista foi postada em 2015 e fez o maior sucesso. por isso resolvemos repostar por 3 motivos: pedidos (rsrsrs.), cultura – porque saber nunca é demais – e aprendizado botânico, além da mera decoreba. Você por exemplo pode até saber que Cattleya amethystoglossa é uma orquídea, decorou o nome. Mas saber que o gênero Cattleya é uma homenagem que o botânico inglês John Lindley (1799-1865) fez a seu amigo Willian Cattley, colecionador de plantas exóticas, é bem superior. Da mesma forma que amethystoglossa em grego significa ”língua cor de ametista” com referência ao labelo roxo dessa orquídea. Resumindo, aprender é diferente de decorar. Vamos então ao abecedário que vamos fazer por letra a cada mais ou menos 3 dias. Nessa listagem entram apenas plantas do grupo das Angiospermas – monocots. e dicots. e um pouco das Gimnospermas (coníferas e relacionados). Famílias de Algae (algas), Musci (musgos e hepáticas), Pteridophyta (samambaia e afins), e Fungi (tratados como um reino a parte) não fazem parte dessa lista. Mais uma vez obrigado amigos.”
Gerdaff Lóra


“Essa relação pode ter eventuais erros de interpretação e fonética. Contamos com a compreensão de todos. Obrigado.” 

Letra A

  • Acanthaceae  (Acantáceé) do gênero AcanthosLin., do grego akanthus, achantho, Ákanthos (ácantos) = espinhos.

 

Justicia lanstyakii (Rizzini), família Acanthaceae.

Algumas espécies da família possuem estruturas de formato espinhoso, mas não acúleos; pode ser também uma referência para a estrutura externa dos frutos de algumas espécies como Acanthus mollis e Barleria oenotheroides Dum. Cours. Engloba aproximadamente 220 gêneros e 4300 espécies de hábito geralmente liana, arbustivo e subarbustivo – mais raramente arvores. São plantas perenes e de importância no uso como ornamentais. A família apresenta grande diversidade nos biomas brasileiros. Acanthaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Curiosidade: em micologia as estruturas ou órgãos em forma de espinho são denominados acantáceos.
  • Achariaceae‎ ⇒  (Acariáceé) do gênero Acharia (acária), Thunberg – homenagem prestada ao amigo do explorador naturalista sueco Carl Peter Thunberg, o botânico Erik Acharius, especialista em briófitas.O nome tem origem no gênero Acharia que por sua vez resulta da junção dos termos gregos a– (negação) e charis (graça, gracioso) = que não tem graça, desagradável – quanto ao aspecto visual. Engloba aproximadamente 28 gêneros. Achariaceae‎ tem Hermann August Theodor Harms como autoridade descritiva e a abreviatura padrão Harms. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.
  • Achatocarpaceae‎ ⇒  (Acatocarpáceé) do gênero AchatocarpusTriana. Grego: Akátos = marchetado, ágata, esmaltado + Karpos = fruto. Fruto enfeitado, marchetado. Inclui os gêneros Achatocarpus e Phaulothamnus e aproximadamente 10 espécies. Achatocarpaceae‎  tem Anton Heimerl como autoridade descritiva  e a abreviatura padrão Heimerl. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Actinidiaceae‎  (Actinidiáceé) do gênero Actinidia, Lindley (actinídia) Grego: Áktinos (áctinos) = raios de uma roda, como os raios de uma bicicleta por exemplo, uma referência ao formato irradiado das estruturas internas de suas flores. Os elementos femininos das flores dessa família (estiletes) tem esse formato. Família do kiwi. O kiwi (Actinidia deliciosa Liang & Ferguson, 1984) faz parte dessa família que não tem espécies nativas no Brasil.  Engloba os gêneros ActinidiaClematoclethra e Saurauia e cerca de 360 espécies, geralmente lianas. Actinidiaceae‎ Tem John Hutchinson como autoridade descritiva e a abreviatura padrão Hutch. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Agavaceae ⇒ (veja Asparagaceae)

Vídeo para relaxar: Plantas Invasoras – Parte 1

  • Adoxaceae‎ ⇒ (Adocssáceé) do gênero Adoxa (adócssa), Linnaeus. Grego: Adoxos (adócssos) = humilde, sem glória. Pela simplicidade dessas pequenas ervas de flores verdes sem destaque. Família do Sabugueiro (Sambucus sp.). Engloba 5 gêneros (não há consenso quanto ao gênero Oreinotinus, sendo que alguns autores aceitam apenas 4 integrando a família, relacionando Oreinotinus à família Caprifoliaceae) destacando-se Viburnum, Sinadoxa, Sambucus e AdoxaAdoxaceae‎ tem como autoridade descritiva Ernst Heinrich Friedrich Meyer e a abreviatura padrão E.Mey. é utilizada para determinar os taxa por ele descritas.
  • Aizoaceae ⇒  (Aizoáceé) Grego: Aizôon = sempre vivo (zôon, animal, vida) que tem o aspecto de estar sempre vivo em relação às diversas espécies dessas suculentas. Engloba aproximadamente 130 gêneros e 2500 espécies de pequeno a porte, geralmente ervas. Aizoaceae tem como autoridade descritiva Karl Asmund Rudolphi (embora as fontes encontradas dão conta de que ele era entomologista) e a abreviatura padrão Rudolphi. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Volker Bittrich nos apresenta a família destacando algumas espécies entre elas Sesuvium portulacastrum (L.) L.
  • Alismataceae  (Alismatáceé) do gênero AlismaLinnaeus. Grego: nome de uma certa planta aquática (Alisma alpestre). Engloba aproximadamente 16 gêneros e 100 espécies, comumente ervas e todas aquáticas. Alismataceae tem Étienne Pierre Ventenat como autoridade descritiva e a abreviatura padrão Vent. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Notas rápidas:

  1. Acrantha flores no alto, em cima.
  2. Acutum, acutissimum – agudo, agudíssimo.
  3. Affine, affinis – relacionado.
  4. Albiflora flores alvas, brancas.
  5. Adenantha  flores com glândulas.
  6. Amnicola, amnicolum – igual a ripário, que cresce à beira de rios, córregos.
  7. Angustiflora  flores estreitas, finas, apertadas.
  8. Anthelmia (grego) dos Antlelmintos, vermes – que combate a verminose.
  9. Arenaria (arenária) – das areias, locais areosos.
  10. Alata – alado, que tem asas.
  11. Angustifolia – folha estreita.
  12. Americana – das Américas.
  13. Arborescens – arborescente, em forma de árvore.
    • Alstroemeriaceae‎ ⇒ (Alstromêriaceé), do gênero AlstroemeriaLin., uma homenagem que Carolus Linnaeus fez ao amigo botânico, um certo Barão Alstroemer. Engloba 5 gêneros – Alstroemeria, Bomarea, Drymophila, Luzuriaga e Schickendantziella – e 200 espécies, que pertenciam anteriormente à família Liliaceae.  Alstroemeriaceae‎ tem como autoridade descritiva Barthélemy Charles Joseph Dumortier e a abreviatura padrão Dumort. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
    • Altingiaceae ⇒ (Altingiáceé) Pesquisamos muito e ainda continua nebuloso, mas parece que W. A. Allting foi um holandês governador da antiga Índia Holandesa, atual Indonésia. Engloba os gêneros Altingia, Liquidambar Semiliquidambar. John Lindley, cuja abreviatura padrão Lindl. é a autoridade descritiva da família Altingiaceae.
    • Amaranthaceae‎  (Amarantáceé) do gênero AmaranthusLin. Grego: Amárantos = aquilo que não murcha, que permanece sempre fresco. Como a crista-de-galo (Celosia sp.).

       

      Gomphrena celosioides (Mart.)
      Gomphrena arborescens (L.)
      Amaranthus hybridus (L.)

       

      O neo-latim registra Amaranthus com ”th” por um equívoco com a palavra grega Anthós (antós) que é ”flor”. O correto seria Amarantaceae. A família Amaranthaceae‎ engloba as sub-famílias Amaranthoideae, Chenopodioideae, Gomphrenoideae, Salicornioideae, Salsoloideae e aproximadamente 178 gêneros. Constam no The Plant List os nomes de 7887 espécies reconhecidas.Tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

       

      • Amaryllidaceae‎ ⇒ (Amarilidáceé) do gênero Amaryllis, Lin. Grego: Amarýllis era o nome de uma pastora na antiga e lendária Grécia, mas há quem ligue esse nome não a essa entidade mitológica mas ao verbo grego Amarýllissein (amarílissin) que significa brilhar (como as tépalas de Hippeastrum, por exemplo). A família Amaryllidaceae‎ engloba aproximadamente 73 gêneros e 1600 espécies geralmente ervas bulbosas e mais raramente rizomáticas. Tem Gilbert Thomas Burnett como autoridade descritiva e a abreviatura padrão Burnett. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Narciso

    Narciso
    Narciso

    Um gênero de plantas perenes predominantemente primaveris da família amaryllidaceae. Tem flores conspícuas com seis tépalas semelhantes a pétalas encimadas por uma coroa em forma de taça ou trompete. As flores são geralmente brancas ou amarelas (também laranja ou rosa em variedades de jardim). Para uso comercial, variedades com um comprimento mínimo de 30 cm são procuradas, tornando-as ideais para flores de corte.

  • Exemplo:
  • Amarílis
    Amarílis
    Amarílis

    Este é o nome dado a um gênero de plantas com flores da família amaryllideae, e que consiste em apenas duas espécies. A mais conhecida, amaryllis belladonna, é nativa da região do Cabo Ocidental na África do Sul. Produz belas flores em forma de funil cuja cor usual é branca com veias carmesim, mas rosa ou roxo também ocorrem naturalmente.

    • Anacardiaceae‎  (Anacardiáceé) do gênero AnacardiumLinnaeus (anacárdium). Grego: Anakárdion = semelhante a um coração.
      Anacardium humile (St. Hilaire)
      Lithraea molleoides ((Vell.) Engl. 1876)
      Myracrodruon urundeuva  (Engl.)
      Mas também já vimos com uma outra interpretação curiosa: Grego: An = fora, sem + Kárdion = Coração. Seria sem coração ou caroço, uma alusão ao fruto (castanha) que como um falso caroço deveria estar dentro do pedúnculo macio e aquoso, o caju em si. Engloba aproximadamente 70 gêneros e 700 espécies de hábito arbóreo ou arbustivo. A família Anacardiaceae tem como autoridade descritiva John Lindley e a abreviatura padrão Lindl. é utilizada para determinar as espécies por ele descrita
    • Angeloniaceae  (Angeloniáceé) do gênero Angelonia (angelónia), etimologia complicada de achar mas parece que veio do grego Ággelos (Águellos ou ágelos) que passou para Ángelos e deu a palavra anjo. Angelonia = dos anjos.
    • Anisophylleaceae  (Anisofileáceé) do gênero Anisophyllea (anisofílea). Grego: Anisos = desigual, assimétrico (o contrário de Isos = igual, simétrico) + Phýllonphýllea (fílon, fílea) = folha. Algumas espécies como Anisophyllea manauensis tem as folhas assimétricas. Engloba os gêneros Anisophyllea, Combretocarpus, Poga e Polygonanthus. Tem em Henry Nicholas Ridley sua autoridade descritiva, cuja abreviatura padrão é Ridl.
    • Annonaceae‎ ⇒ (Anonáceé) do gênero Annona, Linnaeus. A etimologia dessa palavra até hoje é controvertida, mas a maioria dos autores acha que vem do latim Annonaannonae que tem o significado de alimentos ou víveres porque grande parte dessa família tem frutos comestíveis. Outros falam ”provimento de víveres para um ano” e ainda há os que dizem ser de origem centro-americana pois viria da palavra ”anon” possivelmente um nome caribenho para pinhas e araticuns.

       

      Annona coriacea (Mart.)
      Duguetia furfuracea (A. St.-Hil. Benth. & Hook.)
      Xylopia aromática ((Lam.)Mart.)

       

      Engloba aproximadamente 129 gêneros e 2400 espécies. A família Annonaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.
  • Apiaceae‎  (Apiáceé) do gênero Apium. L. (ápium). Latim: Apium = nome da cenoura (Daucus carota), salsão (Apium graveolens L.). Esse família é o mesmo que Umbelliferae. Engloba aproximadamente 418 gêneros. A família Apiaceae‎ tem John Lindley como autoridade descritiva e a abreviatura padrão Lindl. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.
  • Apocynaceae  (Apocináceae) do gênero Apocynum (apócinum) Grego: Apó = afastado, excluído + Kýnos (pronucia-se o K como C > Cínos) > Apokýnos = aquilo que afasta os cães, que pode matar ou prejudicar os cachorros.

Pervinca

Pervinca
Pervinca

As flores de pervinca vem das plantas do gênero vinca, da família apocynaceae. As flores, produzidas durante a maior parte da estação de crescimento, são salvas simples, com cinco pétalas geralmente violeta (ocasionalmente brancas) unidas na base para formar um tubo. Duas das espécies são extensivamente cultivadas como uma planta ornamental.

Prestonia acutifolia (Benth. ex Müll. Arg.) K. Schum.
Macrosiphonia velame  (A.St.-Hil.)
Mandevilla hirsuta (A.Rich.) K.Schum.

 

Grande parte das apocináceas são plantas tóxicas. Inclui 5 subfamílias: Rauvolfioideae, Apocynoideae, Periplocoideae, Secamonoideae e Asclepiadoideae. Engloba aproximadamente 450 gêneros e 5000 espécies de hábito arbóreo, liana ou herbário.A família Apocynaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.
  • Apodanthaceae  (Apodantáceé) do gênero Apodanthes (apódantes) Grego: Ápodo = sem pé + Anthós = flor. Flor sem pé, sem os pedúnculos. Família de plantas parasitas (holoparisatas) com hábito semelhante a fungos e que no Brasil parasitam as raízes das Salicaceae. A família Apodanthaceae engloba os gêneros PilostylesApodanthes e Berlinianche e cerca de 30 espécies. Tem em  Philippe Édouard Léon Van Tieghem a sua autoridade descritiva cuja abreviatura padrão é Tiegh. Anteriormente a autoridade era Armen Leonovich Takhtajan – abreviatura Takht.
  • Aquifoliaceae‎  (Aquifoliáceé) do gênero Aquifolium (aqüifólium) Latim: Acus = agudo, ponta = Folium = folha . Que tem folhas com espinhos, folhas espinhentas. O azevinho (Ilex aquifolium (L., 1753).
  • Ilex affinis (Gardner), família Aquifoliaceae.

    A família Aquifoliaceae engloba os gêneros IlexNemopanthus Prinus incluindo cerca de 500 espécies. Tem como autoridade descritiva Friedrich Gottlieb Bartling e a abreviatura padrão Bartl. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.

  • Araceae‎  (Aráceé) do gênero ArumLinnaeus (árum) Grego: Áron = nome de diversas espécies dessas plantas aráceas na Europa como por exemplo Arum italicum. Engloba aproximadamente 129 gêneros e 4025 espécies (havendo divergência quanto ao numero conforme o autor). A família Araceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.

Aro

Aro
Aro

 

Arum é um gênero de plantas com flores pertencentes à família Araceae , nativa da Europa, norte da África e oeste e centro da Ásia, com a mais alta diversidade de espécies na região do Mediterrâneo. São comparados ao lírios pela forma de sua floração, mas não tem a mesma beleza. Flores bonitas desse g~enero que posso citar é arum creticum, arum idaeum, arum italicum e arum palaestinum.

  • Araliaceae‎  (Araliáceé) do gênero Aralia (arália). A origem do termo é meio desconhecida mas pode ser de origem iroquesa. Os iroques são povos indígenas do Canadá.  Engloba aproximadamente 40 gêneros e 1500 espécies de hábito arbóreo, arbustivo e liana. A família Araliaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.

Notas rápidas:

  1. Abyssinicus (abissínicus) – da Abyssínia (África).
  2. Album, albus (latim) – alvo, branco.
  3. Argentum (latim) – como a prata, aspecto de prata.
  4.  Argyro (grego Árgyros) – prateado, cor de prata.
  5.  Arvensis – que fornece grãos, folhagens.
  6. Atro (latim) – escuro, negro, lúgubre, funesto (Atropurpureum) – púrpura escuro.
  7. Aurantium (auráncium) – nome latino da laranja, alaranjado.
  8. Aureus (latim) – dourado, amarelo-ouro.
  9. Azureus (azúreus) – latim – azul.
  10.  Australe – do sul (oposto a borealis).
  11. Acuelata – aculeado, que contém acúleos, espinhos.
  • Araucariaceae‎ ⇒ (Araucariáceé) do gênero Araucaria, Jussieu (araucária). Nome ligado aos povos indígenas araucanos dos Andes que habitam o Chile e a Argentina, lembrando que na América do Sul temos Araucaria angustifolia (pinheiro-do-paraná) e Araucaria araucana do Chile e Argentina (araucária-dos-andes). Engloba os gêneros AgathisAraucária e Wollemia e 32 espécies. A família Araucariaceae‎ tem como autoridades descritivas Johann Baptist Henkel e Wilhelm Christian Hochstetter e a abreviatura padrão Henkel & W. Hochstetter. é utilizada para determinar as espécies por eles descritas.
  • Arecaceae‎  (Arecáceé) do gênero ArecaLin. nome de uma palmeira na língua malabar (costa sudoeste da Índia). Talvez Areca catechu. Essa família é o mesmo que Palmae (Pálmé).
Mauritia flexuosa (Mart.)
Acrocomia aculeata (Jacq. Lodd. ex Mart. 1845)
Attalea geraensis (Barb. Rodr.)

Engloba aproximadamente 183 gêneros e 2.600 espécies, muitas com valor econômico, como o coqueiro Cocos nucifera L. e a tamareira Phoenix dactylifera L..

  • Aristolochiaceae  (Aristoloquiáceé) do gênero Aristolochia (aristolóquia) Grego: Aristos = bom, ótimo, que ajuda + Lokéia (loquía) = parto. Que auxilia no parto. De acordo com os gregos algumas dessas plantas eram usadas na medicina para facilitar o parto. Engloba os gêneros AristolochiaAsarumLactorisSarumaThottea e aproximadamente 600 espécies arbustivas, herbáceas ou trepadeiras lenhosas. A família Aristolochiaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.
  • Asparagacea ⇒ (Asparagáceé) do gênero Asparagus. L. (aspáragus) Grego: Aspáragos (aspáragos) = nome dessas plantas em grego como Asparagus officinalis L., o aspargo comestível. Obs: outras fontes dão conta que a etimologia origina-se do agavo Agave americana L. quanto a característica da floração. Engloba aproximadamente 120 gêneros sendo nativos do Brasil ClaraCordylineFurcraeaHagenbachia Herreria. A família Asparagaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.
  • Asteraceae ⇒ (Asteráceé) do gênero Aster, L. (Áster) Grego: Ásterásteros = astro, estrela (asteróide por exemplo) em virtude da forma estelar das inflorescências dessas plantas como as margaridas, guérberas, heliantos, crisântemos, etc. Essa família é o mesmo que Compositae (Compôsité). Dentro das Angiospermas é a maior família com aproximadamente 1535 gêneros e 23000 espécies herbáceas, arbustivas e arbóreas. A família Asteraceae tem em Friedrich von Berchtold e Jan Svatopluk Presl as suas autoridades descritivas e a abreviatura padrão Bercht. & J.Presl é utilizada para determinar as espécies por eles descritas. A espécie Isostigma  peucedanifolium (Spreng.) Less. var. strictum Guad.Peter. foi tema de publicação no Curvelo Fauna e Flora! 

Girassol

Girassol
Girassol

É uma planta herbácea anual da família asteraceae nativa da América Central e do Norte, cultivada como alimento, óleo e planta ornamental em todo o mundo. Algumas variedades recentemente desenvolvidas têm cabeças decompostas. Essas variedades são menos atraentes para jardineiros que plantam flores como ornamento, mas atraentes para os agricultores, porque podem reduzir os danos causados ​​por pássaros e as perdas causadas por doenças de plantas.

Cardo

Cardo
Cardo

Cardo é o nome comum de um grupo de plantas com flores caracterizadas por folhas com espinhos pontiagudos nas margens, principalmente na família asteraceae. O termo cardo é algumas vezes usado para significar exatamente aquelas plantas da tribo cardueae incluindo os gêneros carduus, cirsium e onopordum.

Dente de Leão

Dente de Leão
Dente de Leão

O dente de leão refere-se a um grande gênero de plantas com flores na família asteraceae, nome popular dado praticamente a todas as espécies do gênero, que é chamado taraxacum. Esse gênero têm flores muito pequenas reunidas em uma cabeça de flor composta. Cada flor em uma cabeça é chamada de florzinha.

 

Isostigma  peucedanifolium (Spreng.) Less. var. strictum Guad.Peter
Emilia fosbergii (Nicolson)
Piptocarpha rotundifolia (Less.) Baker

Letra B

Anemopaegma arvense (Vell.) Stellfeld ex de Souza., família Bignoniaceae

  • Balanophoraceae ⇒ do grego bálanos = a glande, cabeça do pênis + phoron, phorós = aquilo que trás, que leva. Significa também o fruto do carvalho (Quercus sp.) que parece a ponta do pênis (glande) coberta pelo prepúcio. Basta ver A Era do Gelo com o esquilo fanático por ”bolotas” os frutos do carvalho. Alguns frutos das Balaphoraceae lembram a ”glans pennis”. Vamos aproveitar a oportunidade e deixar bem claro que nas ciências não existe o puritanismo, a vergonha, o nome feio, caso contrário não existiriam nomes como Clitoria (semelhante ao clitóris), Phallus (pênis em grego), Amorphophallus (pênis enorme, disforme, descomunal) e outros nomes com conotação sexual.  A família é exclusivamente holoparasita, ou seja, as espécies nela incluídas são aclorofiladas e retiram da planta hospedeira a seiva elaborada, já que elas não são aptas a sintetizar as substâncias orgânicas de que necessitam. São parasitas frequentes de raízes, podendo ser confundidas com fungos devido a aparência que apresentam. Balanophoraceae tem como autoridade descritiva Louis Claude Richard e a abreviatura padrão Rich. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Engloba aproximadamente 17 gêneros e 44 espécies.
  • Balsaminaceae ⇒ do grego bálsamon. A palavra é emprestada de um outro idioma, parece ser de origem semítica (tronco de línguas extintas e/ou atuais como o aramaico, árabe, assírio, hebraico, etc). Bem, o nome não está claro. Família da maria desavergonhada ou beijo-de-frade (Impatiens balsamina). Algumas fontes citam Friedrich von Berchtold e Jan Svatopluk Presl  (abreviatura padrão Bercht. & J.Presl.) como autoridades descritivas para Balsaminaceae, outras Achille Richard (A.Rich.) e ainda Augustin Pyrame de Candolle (DC.). Engloba 2 gêneros (Hydrocera Impatiens) e aproximadamente 850 espécies geralmente ervas e mais raramente subarbustos. Diversas espécies são utilizadas como ornamentais.
  • Basellaceae ⇒ Basella parece ter origem africana. Família da bertalha (Basella rubra), hortaliça trepadeira. Tem um certo parentesco (Ordem Caryophyllales) com as Cactaceae e as Portulacaceae (beldroegas). As plantas da família são lianas herbáceas. Basellaceae tem como autoridade descritiva Constantine Samuel Rafinesque e a abreviatura padrão Raf. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Engloba 5 gêneros e aproximadamente 20 espécies.
  • Begoniaceae ⇒ homenagem a Michel Begon, antigo governador do Haiti que era possessão francesa, hoje um país conturbado e paupérrimo. Engloba 2 gêneros (Begonia e Hillebrandia) e aproximadamente 1400 espécies de hábito arbustivo, subarbustivo (menos frequentes) e ervas com enorme emprego no uso paisagístico. Begoniaceae tem como autoridade descritiva Carl Adolph Agardh e a abreviatura padrão C.Agardh é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Berberidaceae ⇒ do árabe, barbáris, nome do gênero botânico Berberis (no link, pág. 275), em que se insere a espécie base para a   família. Latinizado como berbérisBerberidaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.  Engloba aproximadamente 15 gêneros e 650 espécies de hábito arbustivo ou arvores de pequeno porte.

Notas rápidas:

  1. Biflora – que produz um par de flores.
  2. Breviflora – flores breves, curtas.
  3. Brevispatum – espata curta, breve.
  4. Bicolor – duas cores
  5. Bulbifer (bulbífer) – que produz bulbos, bulbífero.
  • Betulaceae ⇒ o nome vem do celta bétula ou vidoeiro (Betula pendula) em português de Portugal. Engloba aproximadamente 6 gêneros e 170 espécies de hábito arbustivo ou arbóreo. Betulaceae tem como autoridade descritiva (nome do autor) e a abreviatura padrão (abreviatura) é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.
  • Bignoniaceae ⇒ do francês Bignon (Binhon), um certo senhor que era abade e diretor da biblioteca do rei Louis XIV (1662 a 1743). Tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas. A família Bignoniaceae engloba aproximadamente 110 gêneros, sendo HandroanthusArrabidaea,  Adenocalymma Jacaranda os mais representativos  e 800 espécies arbustivas, lianas e harbóreas.
  • Bixaceae ⇒ Parece que é caribenho, talvez bixa ou bicha, como sendo ”vermelho”, o urucum (Bixa orellana Lineu). Latinizado é bíkssa com como oxigênio, ok? Engloba os gêneros AmoreuxiaBixaCochlospermumDiegodendron e 21 espécies de hábito arbustivo ou de pequeno porte arbóreo.  A família Bixaceae tem como autoridade descritiva Carl Sigismund Kunth e a abreviatura padrão Kunth. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.
  • Bombacaceae ⇒ do grego, bombíx, seda, a paina dos frutos dessa família agora aglutinada a Malvaceae.

Erioteca Pubescens (Mart. Ex. Zucc.)

A família Bombacaceae tem como autoridade descritiva Karl Sigismund Kunth e a abreviatura padrão Kunth. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.

  • Bonnetiaceae ⇒ do francês, Charles Bonnet, homenagem a esse botânico. A família Bonnetiaceae engloba os gêneros ArchytaeaBonnetia, e Ploiarium.
  • Boraginaceae  do latim, borrago, borragem que por sua vez parece ter vindo do árabe abu-rash ou seja, o ”pai do suor” pelas virtudes sudoríficas dessa planta. A família Boraginaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas. Engloba aproximadamente 100 gêneros e 2000 espécies de hábito arbustivo, arbóreo e herbáceo.

Miosótis

Miosótis

É um gênero de plantas com flores na família boraginaceae. Preferem habitats úmidos. Em locais onde elas não são nativas, elas freqüentemente escapam para zonas úmidas e margens de rios. As flores são tipicamente de 1 cm de diâmetro ou menos; de cara lisa; coloração azul, rosa, branco ou amarelo com centros amarelos.

  • Brassicaceae ⇒ do grego brássika como ”couve” mas parece que o grego assimilou a palavra dos Celtas. O mesmo que Cruciferae. Engloba aproximadamente 365 gêneros e 3200 espécies. A família Brassicaceae tem como autoridade descritiva Gilbert Thomas Burnett  e a abreviatura padrão Burnett é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.
  • Bromeliaceae ⇒ homegem que Charles Plumier, famoso botânico fez para seu colega botânico sueco Olof Bromel. Os povos nativos das Antilhas chamavam as plantas da família de karatas.
Ananas ananassoides (Baker) L. B. Sm
Dyckia trichostachya (Baker)
Aechmea bromeliifolia (Rudge.)

Tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas. Engloba aproximadamente 58 gêneros e 3.172 espécies de hábito.

  • Buddleiaceae ou Buddlejaceae ⇒ nome de um botânico inglês, Buddle. Tem como autoridade descritiva Karl Adolf Wilhelm e a abreviatura padrão K.Wilh é utilizada para determinar as espécies por ele descritas. O seu gênero tipo – aquele que determina o padrão para a família – é Buddleja L.
  • Burmanniaceae ⇒ Homenagem ao botânico holandês Johan Burmann. A família Burmanniaceae tem como autoridade descritiva Carl Ludwig Blume e a abreviatura padrão Blume é utilizada para determinar as espécies por ele descritas. Engloba os gêneros ApteriaBurmanniaCampylosiphonCymbocarpaDictyostegaGymnosiphon, Hexapterella, Marthella, Miersiella e aproximadamente 99 espécies herbáceas.
  • Butomaceae  do grego, boús (bús), o boi + tómos = cortar, fatiar, pedaço, fatia, o boi quando come essa planta tem a boca cortada! Apresenta apenas o gênero Butomus L. e as espécies Butomus caesalpini,Butomus floridus, Butomus junceus, Butomus lanceolatus, Butomus latifolius, Butomus scutariensis,Butomus umbellatus, Butomus umbellatus ‘Albus’, Butomus umbellatus ‘Rosenrot’, Butomus umbellatus ‘Schneeweißchen’ e Butomus vulgaris, geralmente ervas palustres. A família Butomaceae tem como autoridade descritiva John Edward Gray e a abreviatura padrão Gray é utilizada para determinar as espécies por ele descritas .
  • Buxaceae ⇒ do grego, búxos (búkços), essa planta, o buxinho – Buxus sempervirens L.. Engloba os gêneros Buxus, Pachysandra, Sarcococca, Styloceras, Haptanthus Didymeles e de 90 a 120 espécies. tem como autoridade descritiva (nome do autor) e a abreviatura padrão (abreviatura) é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.

Letra C

Obs: Devemos lembrar que o K em grego equivale ao C latino e tem os mesmos fonemas: Ka (Ca), Ke (Ce), Ki (Ci), Ko (Co), Ku (Cu), Ky (Cy). Para o fonema ”que” e ”qui” se acrescenta um ”h” > Kheilon (Kílon, Quílon = Lábio), Khilos (Quilos = Mil) Um quilômetro = mil metros.

Cipocereus bradei (Backeb. & Voll) Zappi & N.P. Taylor, Cactaceae
  • Cabombaceae ⇒ (Cabombáceé) Gênero Cabomba, Aublet – Nome popular dessas plantas aquáticas nas Guianas. Não há mais informações sobre a origem do nome, se de origem nativa ou não. Possui os gêneros Brasenia Cabomba, abrangendo em torno de 6 espécies herbáceas aquáticas.
  • Cactaceae ⇒ Gênero Cactus, Linnaeus (hoje Mammilaria, Haworth.). Grego: Káktos. Na realidade gregos e romanos não conheciam as Cactáceas genuínas porque são plantas americanas (Rhipsalis em Madagascar parece ter sido levado por aves) e sendo assim esse nome seria relacionado a  certos cardos espinhentos que são plantas Asteráceas ou outras plantas espinhentas. A família Cactaceae engloba as subfamílias CactoideaeOpuntioideaePereskioideae e Maihuenioideae, aproximadamente 176 gêneros e 2.273 espécies entre arbustos, árvores, lianas e ervas. Tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.
  • Calceolariaceae  Gênero Calceolaria (Lineu?) – Latim: Calceolus (calcéolus) = diminutivo de calçado, sapato (sapatinho) pela forma das flores que lembram pequenos sapatos ou chinelos. Família recentemente desmembradas de Scrophulariaceae. Possui os gêneros CalceolariaPorodittiaJovellana e Stemotria. A família Calceolariaceae tem como autoridade descritiva Richard Glenn Olmstead e a abreviatura Olmstead é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Calophyllaceae ⇒ Gênero Calophyllum, (autor?) Grego: Kalós = belo, bonito + Phýllon (fílon) = folha ”folha bonita” pelo forma e brilho das folhas do gênero. Recentemente desmembrada da antiga Guttiferae (Clusiaceae). A família Calophyllaceae possui os gêneros Calophyllum, Caraipa, Clusiella, Endodesmia, Haploclathra, Kayea, Kielmeyera, Lebrunia, Mahurea, Mammea, Marila, Mesua, Neotatea e Poeciloneuron. Tem Jakob Georg Agardh como autoridade descritiva e a abreviatura padrão J.Agardh é utilizada para caracterizar os taxa por ele descritos.
  • Calyceraceae ⇒ Gênero CalycerasCavanilles (caliceras) Grego: Kályx = cálice + Kéros (céros) = chifre, corno. Chifre bonito. O cálice das flores em ponta de chifre, mas vendo as flores não vejo razão para tal nome. Engloba os gêneros Boopis,Calycera, Gamocarpha, Moschopsis e Nastanthus aproximadamente  46 espécies herbáceas.
  • Campanulaceae  Gênero Campanula, L. (campánula) Latim: a origem é incerta mas parece que veio do latim tardio campanha que deu a palavra campainha, sineta, pequeno sino.
Siphocampylus lycioides (Cham.), Campanulaceae

Assim sendo Campanula = sininho. Pelo formato das flores que lembram pequenos sinos. Engloba aproximadamente 89 gêneros e 2.400 espécies. A família Campanulaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Campânula

Campânula
Campânula

Campanula é um de vários géneros da família campanulaceae com o nome comum de campânula. Leva o seu nome comum e seu nome científico de suas flores em forma de sino; campanula é latim para “pequeno sino”. As espécies incluem plantas anuais, bienais e perenes, e variam em hábito de espécies anãs árticas e alpinas com menos de 5 cm de altura, a grandes pastagens temperadas e espécies florestais que crescem até 2 metros de altura de altura.

  • Canellaceae  Gênero CanellaP. Brownes. Latim: vem do latim medievo Cannelum que é o diminutivo de Canna. O nome dessa família vem da semelhança da casca dessas árvores com a canela especiaria (Cinnamomum zeylanicum Breyne – Lauraceae). Possui os gêneros Canella, Cinnamodendron, Cinnamosma, Pleodendron, Warburgia e 21 espécies arbóreas de pequeno porte ou arbustivas. A família Canellaceae tem Carl Friedrich Philipp von Martius como autoridade descritiva e a abreviatura Mart. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Cannaceae  do grego, kanna = cana, caniço, capim. São os biris ou bananinhas-de-jardim. Esse nome na nossa opinião, caberia melhor aos capins, às gramíneas. A família Cannaceae engloba apenas o gênero Canna L. e aproximadamente 40 espécies. Tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.

Notas rápidas:

  1. Cauliflora  que produz flores no caule.
  2. Cerasiflora  flores de cereja (ou semelhantes).
  3. Chlorantha  flor verde.
  4. Chrysantha  flor dourada, amarelo ouro.
  5. Cissiflora  flores de Cissus (Vitaceae).
  6. Congestiflora  flores muito juntas, apinhadas.
  7. Crassiflora  flores espessas, flores grossas.
  8. Crateriflora  flor em forma de taça.
  9. Crispiflora  flor crespa.
  10. Crocosmiflora  flor semelhante à Crocosmia (Iridaceae).
  11. Curviflora  flor de corola tubular curva ou o pedúnculo curvo.
  12. Cryptantha  flor escondida, oculta.
  13. Commutatum – alterado, modificado, mudado, diferente.
  14. Crispum – crespo, arrepiado.
  15. Costatum – com arestas, com costelas.
  16. Cucullata – que tem capuz, chapéu, topete.
  • Cannabiaceae (atualmente como Cannabaceae do grego kánnabis, tomado de algum vocábulo europeu ou indo-europeu antigo. Quer dizer cânhamo, maconha, diamba. A maconha, além de seus usos tradicionais, produz também a goma hachiche. É uma excelente produtora de fibras de forte resistência, por isso a palavra cannabinus aparece em outras plantas que produzem fibra semelhante, como Hibiscus cannabinus. Uma outra Cannabaceae importante é o Lúpulo (Humulus lupulus) aromatizante e flavorizante da cerveja. As cervejas denominadas como IPA (Índia Pale Ale) são carregadas no lúpulo. Engloba os gêneros Aphahanthe, Cannabis, Celtis, Gironniera, Humulus, Lozanella, Momisia, Parasponia, Pteroceltis, Sponia, Trema, Ziziphus e aproximadamente 170 espécies arbóreas, herbáceas ou mais raramente lianas. A família Cannabiaceae/Cannabaceae  tem como autoridade descritiva Ivan Ivanovič Martinov e a abreviatura padrão Martinov é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Capparaceae  Gênero Capparis, L. (cáparis) Grego: Káparis, a alcaparra. O nome português alcaparra vem do árabe que pronunciava mal o latim (al capar, al gabar, algabara, alcaparra). O mesmo que Capparidaceae.  A família Capparaceae engloba aproximadamente 33 gêneros e 700 espécies arbóreas, herbáceas, lianas e arbustívas. Tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.
  • Capparidaceae (hoje Capparaceae do grego, kápparoskappáridos, latinizado como cápparis, a alcaparra que por sua vez veio do árabe al-kabbar.
  • Caprifoliaceae (hoje Lonicera) ⇒  do latim, capri, a cabra, bode + folium = folha. Folha de cabra. Talvez as cabras gostam das madressilvas (Lonicera sp.)… A espécie principal é a conhecida madressilva (Lonicera japonica) trepadeira de flores perfumadas. Tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas. Engloba aproximadamente 42 gêneros entre eles Heptacodium, Leycesteria, Lonicera, Symphoricarpos Triosteum e cerca de 860 espécies de hábito arbóreo ou arbustivo.
  • Cardiopteridaceae  Gênero CardiopterisBlume (cardioptéris) Grego: KardiaKardion (cárdia, cárdion) o coração + Pterón = asa (coração alado). Os frutos parecem assim. Possui os gêneros Cardiopteris, Citronella, Dendrobangia, Gonocaryum, Leptaulus, Pseudobotrys e 43 espécies arbóreas, lianas ou arbustivas.  Carl Ludwig Blume é a autoridade descritiva e a abreviatura padrão Blume é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Caricaceae  Gênero CaricaLinnaeus (cárica) Latim: Caricus (cáricus),  cária, aquilo que vem de Cária, uma região antiga da Eurásia. Família dos mamoeiros Carica papaya L. e jaracatiá (Jacaratia spinosa (Aubli) A. DC.). Mas os mamoeiros não vem dessa região, são plantas americanas. Bem, os antigos naturalistas associaram o mamão ao figo (Ficus carica) que vinha da Cária, Turquia. Até hoje importamos os deliciosos damascos e figos secos da Turquia. As variedades primitivas dos mamoeiros produziam frutos pequenos como as papayas e que podem de certo modo serem comparados aos figos. Gente, estamos falando de uma Europa de 1700! A família tem como autoridade descritiva Barthélemy Charles Joseph Dumortier e a abreviatura padrão Dumort. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Engloba os gêneros CaricaCylicomorphaHorovitziaJacaratiaJarillaVasconcellea e aproximadamente 35 espécies de hábito arbóreo, arbustivo e a liana Vasconcellea horovitziana, que encontra-se em perigo de extinção.
  • Caryocaraceae  Gênero Caryocar, L. (cariócar) Grego: Káryon (cárion) caroço, noz + Kara (céfalo?) = cabeça.
Caryocar brasiliense (Cambess.), Caryocaraceae

Pelo tamanho dos frutos segundo o que apuramos, com um caroço dentro! Interpretação bastante duvidosa pois esse nome serviria para muitas outras plantas como por exemplo o coqueiro. O pequi foi tema de publicação no Curvelo Fauna e Flora!

  • Caryophyllaceae ⇒ Gênero Caryophyllum, Moench (cariofílum) Hoje é Dianthus (os cravos), do grego, karyóphyllon,  káryon (cárion) noz ou caroço + Phýllon (fílon) = folha, o cravo-da-índia. As flores do cravo (Dianthus sp.) tem o perfume do cravo-da-índia. . Os gregos davam o nome de Karyophýllon para o cravo-da-índia. Talvez pelas pontuações translúcidas das folhas? Folhas com carocinhos? A flor do cravo tem o perfume que lembra o cravo-da-índia. A família Caryophyllaceae engloba aproximadamente 91 gêneros e 2.200 espécies de hábito arbustivo, subarbustivo ou herbáceo. Tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar as espécies por ele descritas.
  • Casuarinacea ⇒ Gênero Casuarina, Lineu ex-Adanson (casuarina) De casuarino, que vem do Casuar a ave da Austrália e Nova Guiné. As folhas da Casuarina lembram as penas dessas aves. Tem como autoridade descritiva Robert Brown e a abreviatura padrão R.Br. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Engloba os gêneros Allocasuarina, Casuarina e Gymnostoma e aproximadamente 90 espécies todas nativas da Ásia.
  • Celastraceae ⇒ Gênero CelastrusL. (celástrus) Grego: Kélastros (célastros) o evônimo. A família Celastraceae engloba 50 gêneros e aproximadamente 1.000 espécies arbóreas, arbustos, subarbustos ou lianas.

 

Peritassa campestris (Camb.) A.C.SM, Celastraceae

Tem como autoridade descritiva Robert Brown e a abreviatura padrão R.Br. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

  • Ceratophyllaceae ⇒ Gênero Ceratophyllum, L. (ceratofilum) Grego: KérasKeratos (céras, ceratos) = corno, chifre + Phýllon = folhas. Folhas córneas. * Não pude ainda fazer tal comparação pela dificuldade de conseguir essas plantas aquáticas submersas (nota do autor). Apresenta o gênero Ceratophyllum L. e as espécies Ceratophyllum demersum, Ceratophyllum echinatum, Ceratophyllum muricatum, Ceratophyllum platyacanthum e Ceratophyllum submersum. Tem Samuel Frederick Gray como autoridade descritiva cuja abreviatura padrão é Gray.

Notas rápidas:

  1.  Caeruleum, caeruleus (cérúleum) latim – cerúleo, azul celeste.
  2. Cinnabarinum, cinnabarinus (cinabárinus) latim – cinabrino, da cor do mineral cinábrio, vermelho meio que alaranjado ou rosado.
  3.  Cinereus (cinéreus) latim – cinza, cinzento, da cor das cinzas.
  4. Coccineumcoccíneus (coccíneus) latim – vermelho escarlate, vermelho coral, da cor do vermelho das cochonilhas.
  5. Comosum, comosus – que tem coma, cabeleira, um tufo na ponta, etc.
  6. Cordifolia, cordifolium – folha em forma de coração.
  7. Coriacea, coriaceus – semelhante ao couro.
  8. Corymbosum – em forma de corimbo, tipo de inflorescência.
  9. Crucigerum (crucígerum) – que porta ou gera uma cruz ou que porta um escudo.

 

  • Chlorantaceae ⇒ Gênero ChloranthusSwartz (clorantus) Grego: Klorós (clorós) = verde + Anthos (ántos) = flor – flor verde. Pelas folhas esverdeadas dessas plantas. Possui os gêneros Ascarina, Chloranthus, Hedyosmum Sarcandra e aproximadamente 80 espécies arbóreas, arbustivas, subarbustivas ou herbáceas.
  • Chrysobalanaceae  Gênero ChysobalanusLineu (crisobalánus). Grego: Krýsos = ouro, dourado, amarelo dourado + Bálanos = glande, bolota do carvalho.

Hirtella gracilipes (Hook.f.), Chrysobalanaceae

Creio que pelo fruto do oiti arredondado e amarelo ouro (?). Engloba os gêneros Acioa, Afrolicania, Atomostigma, Atuna, Bafodeya, Chrysobalanus, Couepia, Exellodendron, Grangeria, Hirtella, Hunga, Kostermanthus, Licania, Magnistipula, Maranthes, Neocarya, Parastemon e Parinari e aproximadamente 533 espécies. A família Chrysobalanaceae. Tem como autoridade descritiva Robert Brown e a abreviatura padrão R.Br. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

  • Cistaceae  Gênero CistusLineu (cístus). Gregos Kistos (cístos) Os gregos chamavam por esse nome algumas espécies de família como Cistus creticus. Possui os gêneros Cistus, Fumana, Halimiocistus, Halimium, Helianthemum, Hudsonia, Lechea, Pakaraimaea e Tuberaria a aproximadamente 200 espécies herbáceas, arbustivas ou subarbustivas. A família Cistaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Cleomaceae ⇒ nome latino ou grego de origem obscura, não achamos nada de consistente pra sustentar uma tradução etimológica. Fica em aberto esse nome a sugestões à parte. Família recentemente desmembrada de Capparaceae ou Capparidaceae. Possui aproximadamente 10 gêneros e 300 espécies predominantemente herbáceas.
  • Clethraceae  Gênero ClethraLineu (clêthra) Grego: Klêthra (clêthara) – nome grego para as árvores chamadas de choupo ou álamos do Hemisfério Norte (Popululs sp. – Salicaceae) – as espécies de Cletrha lembram essas árvores? Mantivemos o ”th” pois corresponde à pronúncia do ”theta” uma das letras do alfabeto grego hoje ausente no português mas ainda presente no espanhol mater, no inglês e no próprio grego moderno. É aquele fonema pronunciado com a a ponta da língua para fora entre os dentes como ”thank” ou ”zaragoza”. Possui os gêneros Clethra e Purdiaea e aproximadamente 75 espécies arbustivas e arbóreas de pequeno porte. A família Clethraceae tem como autoridade descritiva Johann Friedrich Klotzsch cuja abreviatura padrão é Klotzsch.
  • Clusiaceae ⇒ Gênero Clusia, Lineu (clúsia). Homenagem ao botânico holandês  Charles Lecluse (1525-1609), latinizado como Carolus Clusius. Nome reduzido para Clusius que deu nome ao gênero Clusia.

Clusia diamantina (Bittrich), Clusiaceae.

Tem como autoridade descritiva John Lindley cuja abreviatura padrão é Lindl. Família anteriormente conhecida por Guttiferae (gutíferé) ou Gutíferas.  A família Clusiaceae engloba os gêneros Chrysochlamys, Tovomita, Chrysopia, Garcinia, Moronobea, Platonia, Montrouziera, Symphonia, Allanblackia, Dystovomita, Lorostemon, Pentadesma, Thysanostemon, Cratoxylum, Eliea, Thornea, Triadenum, Hypericum, Santomasia, Harungana, Psorospermum, Vismia, Calophyllum, Caraipa, Clusiella, Haploclathra, Kayea, Kielmeyera, Mahurea, Mammea, Marila, Mesua, Neotatea, Poeciloneuron, Endodesmia, Lebrunia e 1.200 espécies de hábito arbustivo, herbáceaes e mais raramente lianas.

  • Colchicaceae ⇒ (colquicáceé) Gênero ColchicumLineu (cólquicum) Grego: Kólkhikon, aquilo que vinha da chamada Cólquida uma região antiga da Eurásia ou Ásia Menor. Essa família foi recentemente desmembrada das Liliaceae. A família Colchicaceae tem como autoridade descritiva Augustin Pyrame de Candolle cuja abreviatura padrão é Candolle. Engloba aproximadamente 21 gêneros e 285 espécies.
  • Combretaceae ⇒ Gênero CombretumLoefling (combrêtum). Vocábulo de origem incerta para designar certa espécie de junco (?).
Combretum fruticosum (Loefl.) Stuntz 1914, Combretaceae

Engloba aproximadamente 20 gêneros (ocorrendo no Brasil Buchenavia, Combretum, Conocarpus, Laguncularia e Terminalia.) e 600 espécies de hábito arbóreo e liana. A família Combretaceae tem como autoridade descritiva Robert Brown cuja abreviatura padrão é R.Br.

  • Commelinaceae ⇒ Gênero CommelinaPlumier (comelina), homenagem a Gaspar Commelin, botânico holandês (1667 – 1731). Tem como autoridade descritiva Charles-François Brisseau de Mirbel cuja abreviatura padrão é Mirb. ou Mirbel. A família Commelinaceae engloba os gêneros Aetheolirion, Amischotolype, Aneilema, Anthericopsis, Belosynapsis, Buforrestia, Callisia, Cartonema, Cochliostema, Coleotrype, Commelina, Cyanotis, Dichorisandra, Dictyospermum, Elasis, Floscopa, Geogenanthus, Gibasis, Gibasoides, Matudanthus, Murdannia, Palisota, Pollia, Polyspatha, Pseudoparis, Rhopalephora, Sauvallea, Siderasis, Spatholirion, Stanfieldiella, Streptolirion, Thyrsanthemum, Tinantia, Tradescantia, Tricarpelema, Triceratella, Tripogandra e Weldenia e aproximadamente 620 espécies de hábito herbáceo ou lianas.
  • Compositaceae ⇒ (hoje Asteraceae) do latim Composita, composta. As flores, os capítulos são compostos por pequenas flores. Composto quer dizer reunido, junto.
  • Connaraceae  (Conaráceé) Gênero ConnarusLineu (cónarus) Grego: Kónaros > espécie de cardo grego, planta espinhosa. Tem como autoridade descritiva Robert Brown cuja abreviatura padrão é R.Br.. A família Connaraceae engloba os gêneros Agelaea, Burttia, Cnestidium, Cnestis, Connarus, Ellipanthus, Hemandradenia, Jaundea, Jollydora, Manotes, Paxia, Pseudoconnarus, Rourea, Roureopsis, Santalodes, Santaloides, Spiropetalum, Taeniochlaena e Vismianthus e aproximadamente 350 espécies de arbustos ou lianas.
  • Convolvulaceae  (Convolvuláceé) Gênero ConvolvulosLineu (convóvulus) do latim, convolvere, aquilo que envolve, que se enrosca. Nome que os latinos davam pra uma espécie de campainha (ipoméia) com o sentido de ”enrolar” – caule volúvel. São as ipoméias.
Ipomea Triloba (L.)
Merremia tomentosa (Choisy) Hallier f.
Cuscuta sp.

Tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. A família Convolvulacae engloba aproximadamente 60 gêneros e 1930 espécies em sua maioria lianas, arbustos ou árvores. Destacam-se pela beleza de sua floração. No Brasil ocorrem os gêneros Aniseia, Argyreia, Bonamia, Calycobolus, Calystegia, Convolvulus, Cressa, Cuscuta, Daustinia, Dichondra, Dicranostyles, Distimake, Evolvulus, Ipomoea, Iseia, Jacquemontia, Keraunea, Lysiostyles, Maripa, Merremia, Odonellia, Operculina, Tetralocularia e Turbina.

  • Cornaceae ⇒ Gênero Cornus, Lineu (córnus) Nome latino para a cerejeira-brava (Crataegus monogyna – Rosaceae). Pelo lenho duro dessas plantas semelhante ao corno ou chifre. Mas qual seria a aproximação com as rosáceas? Comparando as duas espécies a única coisa que se aproxima são uma certa semelhança com os frutos vermelhos de Crataegus monogyna e alguns Cornus sp. Engloba os gêneros Alangium, Camptotheca,Chamaepericlymenum, Cornus, Davidia, Diplopanax, Griselinia, Kaliphora, Mastixia, Nyssa, Swida e Toricellia, mas não há consenso, sendo muitas vezes aceitos apena os gêneros Cornus e Alangium e os demais incluídos na família Nyssaceae.
  • Costaceae   Gênro Costus (?) – costus. Grego: kostos apropriado do árabe Kust referente a uma certa planta de origem indiana aromática usada na perfumaria antiga, talvez o rizoma de certa zimbiberácea. Família recentemente desmembrada de Zingiberaceae. A família Costaceae tem como autoridade descritiva Takenoshin Nakai cuja abreviatura padrão é Nakai. Engloba os gêneros Monocostus, Dimerocostus, Chamaecostus, Costus, Paracostus, Cheilocostus, Tapeinochilos e aproximadamente 150 espécies herbáceas perenes com importante potencial no uso da ornamentação.
  • Crassulaceae  Gênero Crassula, Lineu (crássula) Latim: Crassus (crássus), espesso (equivale ao grego Pakhýs) – referência às folhas dessas suculentas. Crassuluscrassula (crássulus, crássula) é diminutivo de Crassus, ou seja, gordinha, pelo aspecto geral dessas plantas. Engloba aproximadamente 35 gêneros e 1.500 espécies.
  • Cunoniaceae ⇒ Gênero CunoniaLineu (cunónia) Nome em honra ao botânico, poeta, escritor e comerciante (é mole?) alemão Johann Christian Cuno (1708-1783).  Engloba aproximadamente 26 gêneros e 350 espécies. Tem como autoridade descritiva Robert Brown e a abreviatura padrão R.Br. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Notas rápidas:

 

    1. Caudescens – que tem cauda, rabo.
    2. Campestris – dos campos
    3. Catharticus (cathartica) grego – que purifica, que provoca purgação, diarreia.

 

    1. Chloro (grego klorós) – verde.
    2. Chryso (grego krýsos) – dourado, amarelo-ouro, amarelo.
    3. Cupreumcupreus (cúpreum) latim – acobreado, cor do cobre ou aspecto de cobre.
    4. Cyános (grego) – azul.
    5. Cepa – cabeça.

 

  • Cucurbitaceae  Gênero CucurbitaLineu (cucurbita) do latim, cucurbita, abóbora, cabaça. A família Cucurbitaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
    Luffa cylindrica (L.), Cucurbitaceae
    Existem em torno de 1.000 espécies na família dividida em aproximadamente 140 gêneros, ocorrendo no Brasil Apodanthera, Gurania, Pteropepon, Cayaponia, Helmontia, Rytidostylis, Ceratosanthes, Lagenaria, Sechium,Citrullus, Luffa, Selysia, Cucumis, Melothria, Sicana, Cucurbita, Melothrianthus, Sicydium, Cyclanthera, Momordica, Sicyos, Echinocystis, Posadaea, Siolmatra, Echinopepon, Pseudocyclanthera, Tricosanthes, Fevillea, Psiguria e Wilbrandia.
  • Cupressaceae  Gênero CupressusLineu (Cupressus) Grego: Kyparissos (ciparissos) > latinizado para Cupressus, ou Cypressus, o cipreste, que por sua vez deve ter vindo da palavra Kýpros, (Chipre) onde morava a deusa com esse nome . Cypripedilum ou Cypripedium (sapato-de-chipre, a deusa) vem também desse nome (Orchidaceae). A família Cupressaceae tem como autoridade descritiva Harley Harris Bartlett cuja abreviatura padrão é Bartlett. Engloba aproximadamente 30 gêneros e 140 espécies de hábito arbóreo ou arbustivo.
  • Cycadaceae   Gênero CycasLineu (cicas) Grego: Kykas (cicas) nome atribuído ao filósofo grego Teofrasto que por esse nome chamava uma certa palmeira (talvez fênix?). Pela semelhança dessas plantas com diversas palmeiras. Tem como autoridade descritiva Carolus Linnæus (Carl von Linné, Carl Nilsson Linnæus ou Carlos Linneo, fica a escolha de cada um) cuja abreviatura padrão é L.. Engloba apenas o gênero Cycas e aproximadamente 90 espécies.
  • Cyatheaceae  do grego, cýathos, taça. Um detalhe da morfologia dessas plantas, que lembra uma taça. Família de samambaiaçus, o chachim-duro. A família Cyatheaceae tem como autoridade descritiva Georg Friedrich Kaulfuss cuja abreviatura padrão é Kaulfuss. Engloba os gêneros Alsophila, Cnemidaria, Cyathea, Sphaeropteris, × Cyathidaria, †Alsophilocaulis, †Cibotiocaulis, †Cyatheocaulis, †Oguracaulis e aproximadamente 500 espécies.
  • Cyclanthaceae  Gênero Cyclanthus, Poiteau (ciclánthus),do grego kýclos (cíclos) que é círculo, + anthós = flor. Disposição das flores no receptáculo floral. Essa família é a do mapuá e da planta que produz a fibra para a fabricação do legítimo chapéu-panamá (Carludovica palmata) planta da América Central muito parecida com uma palmeira. Tem como autoridade descritiva (). A família Cyclanthaceae engloba os gêneros Asplundia, Carludovica, Chorigyne, Cyclanthus, Dianthoveus, Dicranopygium, Evodianthus, Ludovia, Schultesiophytum, Sphaeradenia, Stelestylis,Thoracocarpus e 225 espécies.
  • Cymodoceaceae  Gênero Cymodocea (?) cimodócea. Etimologia não encontrada. Plantas monocotiledôneas da ordem Alismatales praticamente desconhecidas por serem ervas subaquáticas marinhas e confundidas com algas. Engloba os gêneros Amphibolis, Cymodocea, Halodule, Syringodium e Thalassodendron. Tem como autoridade descritiva Sydney Howard Vines cuja abreviatura padrão é Vines.
  • Cyperaceae  Gênero Cyperus, Lineu. (cíperus), do grego kýperos (Cíperos) para o latim cyperus, junco, um tipo de junco. Tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

  • Bulbostylis paradoxa (Spreng.), Cyperaceae

    Engloba os gêneros Actinoschoenus, Actinoscirpus, Afrotrilepis, Alinula, Amphiscirpus, Androtrichum, Arthrostylis, Ascolepis, Becquerelia, Bisboeckelera, Blysmus, Bolboschoenus, Bulbostylis, Calyptrocarya, Capitularina, Carex, Carpha, Caustis, Cephalocarpus, Chillania, Chorizandra, Chrysitrix, Cladium, Coleochloa, Costularia, Courtoisina, Crosslandia, Cyathochaeta, Cymophyllus, Cyperus, Desmoschoenus, Didymiandrum, Diplacrum, Diplasia, Dulichium, Egleria, Eleocharis, Epischoenus, Eriophorum, Evandra, Everardia, Exocarya, Exochogyne, Ficinia, Fimbristylis, Fuirena, Gahnia, Gymnoschoenus, Hellmuthia, Hypolytrum, Isolepis, Kobresia, Koyamaea, Kyllinga, Kyllingiella, Lagenocarpus, Lepidosperma, Lepironia, Lipocarpha, Machaerina, Mapania, Mapaniopsis, Mesomelaena, Microdracoides, Morelotia, Neesenbeckia, Nelmesia, Nemum, Oreobolopsis, Oreobolus, Oxycaryum, Paramapania, Phylloscirpus, Pleurostachys, Principina, Pseudoschoenus, Ptilanthelium, Pycreus, Queenslandiella, Reedia, Remirea, Rhynchocladium, Rhynchospora, Schoenoplectus, Schoenoxiphium, Schoenus, Scirpodendron, Scirpoides, Scirpus, Scleria, Sphaerocyperus, Sumatroscirpus, Tetraria, Trachystylis, Trianoptiles, Trichophorum, Trichoschoenus, Tricostularia, Trilepis, Uncinia Volkiella e Websteria. e nº espécies de hábito geralmente herbáceo.

  • Cyrillaceae ⇒ Gênero Cyrilla, Lineu (Cirila) nome latinizado de Cirillo (Domenico Cirillo – 1734-1799 – naturalista italiano). Engloba os gêneros Cliftonia e Cyrilla. Tem como autoridade descritiva John Lindley, cuja abreviatura padrão Lindl. 

Letra D

Doliocarpus dentatus (Aubl.) Standl., Dilleniaceae

 

  • Dickisoniaceae  homenagem ao botânico inglês (1738-1822) Sir James Dickson. Família de plantas PteridófitasDicksonia sellowiana é o popular xaxim.
  • Dichapetalaceae ⇒ Gênero DichapetalumThouin (dicapétalum) Grego: Dika (em dois, duplamente) + Pétalon (pétala). Engloba os gêneros Dichapetalum, Stephanopodium e Tapura com aproximadamente 400 espécies arbustivas ou lianas. Tem como autoridade descritiva Henri Ernest Baillon cuja abreviatura padrão é Baill.
  • Dilleniaceae  homenagem ao cidadão professor da Universidade de Oxford, Johann Jacob Dillenius, botânico (1684-1747). Essa família é mais conhecida pela árvore-das-patacas ou flor-de-abril (Dillenia indica). A família foi tema de uma publicação no Curvelo Fauna e Flora!
  • Dioscoreaceae  (Dioscoreáceé) do gênero Dioscorea, Lineu (dioscórea). Homenagem ao famoso naturalista botânico, farmacêutico e médico Pedianos Dioskórides (ano 40 – 90 d.C.) – latinizado como Pedanius Dioscorides, autor de famosa obra lida e relida como uma bíblia da medicina por mais de 1.500 anos Ervas Medicinais, em 5 volumes. Família dos carás. Engloba os gêneros Dioscorea, Stenomeris, Tacca Trichopus com aproximadamente 900 espécies frequentemente lianas.
  • Dipsacaceae  de um tipo de cardo espinhento com o nome dípsakos. Era conhecido como cardo-pente pelos frutos curiosos. Engloba os gêneros Acanthocalyx, Dipsacus, Knautia, Scabiosa, Succisa, Succisella, Cephalaria, Pterocephalus, Callistemma, Pycnocomon e Triploste com cerca de 350 espécies.

Saudade

Saudade
Saudade

Scabiosa atropurpurea, a flor saudades, é uma planta da antiga família dipsacaceae, agora subfamília de caprifoliaceae. Produz uma corola de flor púrpura a roxo escuro e é nativa do Mediterrâneo, onde é amplamente cultivada em terrenos pedregosos e secos.

  • Droseraceae ⇒ (Droseráceé) do gênero Drosera, Lineu (drósera) grego, droserós (orvalhado). As dróseras tem gotículas pegajosas para apanhar os insetos. No conjunto a planta parece toda orvalhada. Engloba aproximadamente 180 gêneros. A família Droseraceae tem como autoridade descritiva Richard Anthony Salisbury cuja abreviatura padrão Salisb.
 

D. tentaculata Rivadavia, Fernando (2003), Droseraceae
Dioscorea cf. dodecaneura Vell, Dioscoreaceae
Davilla elliptica (A. St.-Hil.), Dilleniaceae

 

Notas rápidas:

  1. Deflexo, deflexa – curvo pra baixo.
  2. Densiflora  flores adensadas, juntas.
  3. Denticulata – denticulada, provida de dentes.
  4. Difformis – duas formas.
  • Duckeodendraceae ⇒ homenagem ao famigerado Adolpho Ducke do JBRJ, o maior conhecedor da flora amazônica do mundo. Ducke era muito alto e claro, acho com dois metros e impressionava muito os índios sempre gabirus. Conhecia tão bem as árvores que no meio da mata sabia diferenciar de imediato o que era aquela árvore. Num castanhal sabia diferenciar indivíduos, dando nome tipo, essa castanha é fulana, essa é beltrana. Um gênio do verde. Era especialista em árvores mas começou seu trabalho no Brasil como entomólogo no Museu Emílio Goeld do Pará. Também era etnólogo. Descreveu mais de 900 espécies e mais de 50 gêneros da fauna e flora amazônica. Literalmente a família significa ”árvore de Ducke” = Ducke, duckeo dendron = árvore. Essa família deixou de existir passando para as Solanaceae recentemente, mas ainda aparece nos livros mais antigos. Possivelmente a maior de todas as SolanáceaeDuckeodendron cestroides. A família Duckeodendraceae tem como autoridade descritiva João Geraldo Kuhlmann e a abreviatura padrão Kuhlm. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Letra E

Obs: Como estamos listando as famílias em latim, algumas delas que em português começam com ”Es” como Esmilacáceas, Esparganiáceas, serão tratadas pela letra S mais adiante (Smillacaceae, Sparganiaceae).

Erythroxylum suberosum (A.St.-Hil.), Erythroxylaceae
  • Ebenaceae  vem de um idioma da Índia, Tamil talvez. Ebena é o nome popular para Dyospyrus ebenum nesse país. Nosso caqui trazido pelos imigrantes do país do sol nascente (Japão) é Dyospirus kaki. Se díos é Zeus em grego, pýros é a pera, a fruto. Pera de Zeus. Pyrós seria fogo, mas dióspyros não é fogo de Zeus como levamos a pensar. Sutilezas dos fonemas, como manga, a fruta e mangá, revista de quadrinhos japonesa. A família Ebenaceae tem como autoridade descritiva Robert Louis August Maximilian Gürke cuja abreviatura padrão é Gürke. Engloba os gêneros  Diospyros, Euclea e Lissocarpa e aproximadamente 520 espécies arbóreas.
  • Elaeagnaceae  uma curiosa formação de palavra formada com o grego e o latim! Elaea (Eléa) em grego é a oliveira, a azeitona, e agnus, (ágnus) o cordeiro (Agnus Dei qui tolli pecata mundi– Cordeiro de Deus, retirai os pecados do mundo). A planta lembra a oliveira Olea europea Lineu pelos frutos e pelas folhas a planta agnus-castus, o vitex – Vitex agnus-castus L. Que mistureba não? Engloba os gêneros Elaeagnus, Hippophae, Shepherdia e aproximadamente 50 espécies arbustivas ou arbóreas de pequeno porte. Tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Notas rápidas:

  1. Eriantha  – flor lanosa, lanuginosa.
  2. Eburneum, eburneus (ebúrneus) latim – cor do marfim, aspecto de marfim.
  3. Edulis – comestível, bom pra ser comido.
  4. Elatior (elácior) – elevado, elegante, altivo.
  5. Elongatum, elongata – alongado.
  6. Emarginata, emarginatum – margem retraída abruptamente formando uma fenda no final de uma folha.
  7. Érythros (grego) – vermelho.
  8. Esculentus – delicioso, gostoso, bom de comer.
  9. Evecta, evectus – estendido, longo.
  • Elaeocarpaceae  da mesma forma elaea (eléa) a oliveira, e karpós = fruto. Os frutos dessa família se parecem com as azeitonas. Engloba os gêneros Aceratium, Aristotelia, Crinodendron, Dubouzetia, Elaeocarpus, Peripentadenia, Platytheca, Sericolea, Sloanea, Tetratheca, Tremandra, Vallea e aproximadamente 600 espécies arbóreas ou arbustivas. A família Elaeocarpaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Elatinaceae ⇒ (Elatináceé) Gênero Elátine, Lineu (elátine) Grego: Elátinos – nome do abeto (conífera) em grego – as folhas do gênero lembram as folhas dessas árvores. Inclui os gêneros Bergia Elatine e aproximadamente 120 espécies de plantas aquáticas que ocorrem na Europa e na Ásia. A família Elatinaceae tem como autoridade descritiva Barthélemy Charles Joseph Dumortier cuja abreviatura padrão é Dumort.
  • Eneaceae ⇒ (Ebenáceé) Esse gênero parece nunca ter sido criado e equivale ao gênero Diospyrus (dióspirus). Ebena é o nome popular de Diospyryus ebenum, um tipo de caqui africano. Por sua vez Diospyrus vem de (grego) Díos (Deus) e Pyron (pera) > Pera dos deuses, pera divina. Pode ser um fruto muito saboroso.
  • Enohteraceae  Essa família é encontrada como antigo nome das Onagraceae atuais (Fuchsia, Ludwigia) por isso estamos sitando. Do grego, oinos (ênos), o vinho (enoteca, enólogo) + theras, fera, animal selvagem. Segundo consta algumas plantas dessa família tem o cheiro do vinho e os animais que as comiam ficavam calmos, mansos…uma viagem…
  • Ephedraceae ⇒ (Efedráceé) Gênero EphedraTournefort (éfedra). Assim era denominada a cauda-de-cavalo como eram conhecidas as éfedras. Família recentemente desmembrada das Gnetaceae.
  • Equissetacea (a melhor pronúncia é Ecuissetaceae do latim equus ou equii, cavalo + seta, cerda, pelo animal. Rabo de cavalo. São Pteridófitas dos brejos conhecidas por ”cavalinhas”. Engloba os gêneros Equisetum†Equisetites e aproximadamente 30 espécies.
  • Ericaceae  Gênero Erica, Lineu (érica) A palavra do grega Erekon vem do verbo quebrar, dilacerar e dessa maneira equivale às nossas ”quebra-pedras” (Phyllanthaceae) pois eram plantas usadas na medicina antiga para o mesmo efeito. O nome urze em português de Portugal é usado para as diversas espécies de éricas ausentes na nossa flora pobre nessa família. Tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Engloba aproximadamente 130 gêneros e 4.000 espécies de hábito arbóreo, arbustivo, epífitas e saprófitas.

Exemplo:

Azaléia

Azaléia
Azaléia

 

Azaléias são aqueles maravilhosos arbustos floridos do gênero rhododendron que florescem na primaverae cujas flores geralmente duram várias semanas. Sombra tolerante, elas preferem viver perto ou debaixo de árvores. Elas fazem parte da família ericaceae. Além de ser famosa por sua beleza, a azaléia também é altamente tóxica. Mas é difícil resistir as suas flores com cores que variam entre magenta, vermelho, laranja, cor de rosa, amarelo, lilás e branco.

  • Ericaulaceae  Gênero EriocaulonLineu (eriocaulon) Grego: Erion (lã) + Kaulon (caule) – caule lanoso, caule lanuginoso. No Brasil são as belas sempre-vivas dos campos rupestres. A família Ericaulaceae tem como autoridade descritiva Carl Friedrich Philipp von Martius cuja abreviatura padrão é Mart. Engloba os gêneros Blastocaulon, Eriocaulon, Lachnocaulon, Leiothrix, Mesanthemum, Paepalanthus, Philodice, Rhodonanthus, Syngonanthus, e Tonina.
  • Erythroxylaceae  Gênero Erythroxylon, P. Browne (erithokssilum) Grego: Érýthros (vermelho) Xýlon (kçílon) = madeira > madeira vermelha. A madeira vermelha de algumas eritroxiláceas. A família Erytroxylaceae tem como autoridade descritiva Karl Sigismund Kunth cuja abreviatura padrão é Kunth. Engloba os gêneros Aneulophus, Erythroxylum, Nectaropetalum, Pinacopodium e aproximadamente 260 espécies arbóreas ou arbustivas.
Croton antisyphiliticus (Mart., 1823), Euphorbiaceae
  • Escalloniaceae  Gênero EscalloniaMutis (escalónia). Foi o botânico espanhol José Celestino Mutis (gênero Mutisia – Asteraceae) que homenageou um colega explorador e colaborador de botânica, o médico espanhol Antonio Escallón y Flórez (1739-1819). Tem como autoridade descritiva Carl Friedrich Philipp von Martius cuja abreviatura padrão é Mart.  Engloba os gêneros Anopterus, Eremosyne, Escallonia, Forgesia, Polyosma, Tribeles, Valdivia e 130 espécies de hábito arbóreo ou arbustivo.
  • Euphorbiaceae  Gênero Euphorbia, Lineu (eufórbia) nome em homenagem ao grego Euforbo arquiatro (médico principal) da antiga Juba (hoje Sudão do Sul). Esse Euforbo parece não ter nenhuma relação com o personagem mitológico Euphorbo a Guerra de Tróia. A família Euphorbiaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Engloba aproximadamente 290 gêneros e 7500 espécies herbáceas, arbóreas, arbustivas e subarbustivas.
  • Euphroniaceae ⇒ Micro família com apenas 3 espécies (da ordem Malpiguiales) que ocorre no norte da amazônia (amazonas, bacia do Rio Negro e Roraima). Não achei nada sobre o significado dessa família.

Letra F

  • Fabaceae  do latim, faba, fava, fruto típico das Papilionoidae, subfamília desta. Legume (Leguminosae). Família das mais importantes para a humanidade, incluindo mais de 750 gêneros e 18.000 espécies, diversas delas com importante valor econômico como a soja e o feijão. A família Fabaceae engloba as subfamílias MimosoideaeCaesalpinioideae e Faboideae.

Exemplo:

Acácia

Acácia
Acácia

Acacia é o nome dado a um gênero de arbustos e árvores da família fabaceae. Neste gênero existem várias espécies que são cultivadas em jardins, visadas especialmente pela beleza conferida por suas flores, tais como acacia baileyana, acacia dealbata, acacia pravissima, acacia plicatum, acacia farnesiana, acacia decurrens, etc. Flores de acácia amarela ou flores de acácia brancas são as mais comuns.

Giesta

Giesta

Trata-se de um gênero específico na família fabaceae, mas essa denominação comum ás vezes é confundida também dentro de outros gêneros da família. São principalmente árvores arbustivas de pequeno porte, muitas vezes com folhas caudiciformes, muitas vezes espinhosas para impedir o pastoreio, e massas de pequenas flores amarelas muito bonitas semelhantes a ervilhas que às vezes são perfumadas.

Glicínia

Glicínia

Glicínia é a denominação comum dada a espécies de plantas escaladoras do gênero wisteria, da familía fabaceae. Algumas espécies são plantas ornamentais populares. As flores são produzidas em racismos pendentes de 10 a 80 cm de comprimento com coloração roxas, violetas, rosas ou brancos. A floração ocorre na primavera em algumas espécies asiáticas, e no meio até o final do verão nas espécies americanas. As flores de algumas espécies são perfumadas.

Mimosa

Mimosa

Mimosa é um gênero de cerca de 400 espécies de ervas e arbustos da família fabaceae. Duas espécies do gênero são especialmente notáveis. Uma é a mimosa pudica, devido à maneira como ela dobra suas folhas quando tocada ou exposta ao calor. É nativa do sul da América Central e do Sul, mas é amplamente cultivada em outros lugares por seu valor de curiosidade, tanto como uma planta de casa em áreas temperadas, e ao ar livre nos trópicos.

 

  • Fagaceae  do latim, fagus, a faia, grandes árvores europeias. Engloba os gêneros Castanea, Castanopsis, Chrysolepis, Fagus, Lithocarpus, Nothofagus, Quercus, Trigonobalanus e 1.050 espécies arbóreo de médio e grande porte. tem como autoridade descritiva Barthélemy Charles Joseph Dumortier e a abreviatura padrão Dumort. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Notas rápidas:

  1.  Falcata, falcatum – em forma de foice, facão.
  2. Fasciata (fasciatum) – que tem feixes ou faixas.
  3. Ferox – feroz, com armas, espinhos.
  4. Flava, flavum, flavus – amarelo.
  5. Flaviflora  flor flava, amarela.
  6. Floribunda – flores abundantes.
  7. Flora pécten – flores dispostas num eixo a lembrar um pente
  8. Ferrugineum, ferrugineus (ferrugíneus) latim – da cor da ferrugem ou aspecto ferruginoso oxidado.
  • Fitolacácea  será tratada como Phytolaccacea.
  • Flacourtiaceae  do nome de um certo governador antigo de Madagascar, Esteban Flacourt. A família Flacourtiaceae engloba aproximadamente 90 gêneros e 800 espécies de hábito arbóreo, arbustivo e mais raramente lianas.
  • Fumariaceae (tratadas hoje como Papaveraceae)  ⇒ do latim, fummus, o fumo. Nome de uma certa planta chamada fumária ou fumo-da-terra que não tem nada a ver com o tabaco. Engloba os gêneros Adlumia, Corydalis, Dicentra, Ehrendorferia, Fumaria, Hypecoum, Lamprocapnos, Pseudofumaria, Rupicapnos, Sarcocapnos e 580 espécies.

Papoila

Papoila
Papoila

Papoila é uma variável, ereta anual, espécie herbácea pertencente à família da papoula, papaveraceae.  As hastes possuem flores simples, que são grandes e vistosas, com quatro pétalas que são vermelhas vivas, mais comumente com uma mancha preta em sua base. Nem todas as papoilas disponíveis comercialmente têm flores vermelhas. O melhoramento seletivo resultou em cultivares em amarelo, laranja, rosa e branco.


Letra G

Deianira Erubescens (Cham. & Schltdl), Gentianaceae.

  • Garryaceae (Garriáceé)  gênero Garrya, Lindley (gárria). Homenagem a um comerciante inglês do século XIX, Nicolas Garry. Inclui os gêneros Garrya com 13 espécies e Aucuba com 3 espécies arbóreas ou arbustivas. Tem como autoridade descritiva John Lindley cuja abreviatura padrão é Lindl.
  • Gelseminaceae ⇒ Gênero Gelsemium – etimologia não encontrada. Engloba os gêneros GelsemiumMostuea Pteleocarpa.
  • Gentianaceae pronuncia-se Gencianáceé) ⇒ dedicado a Gentius (gêncius) rei da Ilíria – antigo território romano no sudeste europeu e mais tarde denominado Bálcãs – que foi o primeiro a fazer uso das gencianas como planta medicinal. Engloba aproximadamente 90 gêneros e 1690 espécies de hábito herbáceo, arbustivo e mais raramente arbóreo. A família Gentianaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Genciana

Genciana
Genciana

 

Genciana (ou genciana) é um género de plantas pertencentes à família gentianaceae, com cerca de 400 espécies. Elas são notáveis ​​por suas grandes flores em forma de trombeta, que geralmente são de um azul intenso. As flores em forma de trombeta geralmente são azuis realmente, mas podem ser brancas, creme, amarelas ou vermelhas. Muitas espécies são polimórficas em relação à cor das flores, tendo flores de cores diferentes.

  • Geraniaceae  Gênero Geranium, Lineu (geránium), do grego, geránion, o grou (aves parecidas com os nossos guarás e curicacas). O fruto lembra o bico dessas aves. Assim sendo Pelargonium sp.. Geraniaceae também quer dizer pelargos que em grego é cegonha! Engloba os gêneros CaliforniaErodiumGeraniumHypseocharisMonsoniaPelargoniumSarcocaulon e aproximadamente 800 espécies. Tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Notas rápidas:

  1. Gemmiflora – flor amarelo-gema.
  2. Giganteum – gigante.
  3. Gracile, gracilis – gracioso, encantador.
  4. Graciliflora  – flores graciosas ou delicadas.
  5. Grandiflora  – flor grande.
  6. Glaucum, glaucus (latim) – verde acinzentado, verde azulado.
  7. Guttata, guttatum (latim) – coberto com gotas ou pintas arredondas como gotas.
  • Gesneriaceae  Homenagem ao médico suíço Conrad Gesner. A família Gesneriaceae engloba aproximadamente 150 gêneros e 3.000 espécies de hábito arbustivo e subarbustivo.

Dicranopteris flexuosa (Schrad.), Gleicheniaceae
  • Gleicheniaceae ⇒ Gênero Gleichenia Sm., provável homenagem ao botânico alemão Wilhelm Friedrich von Gleichen (1717-1783). Família de plantas pteridófitas que engloba os gêneros DicranopterisDiplopterygiumGleichenellaGleicheniaSticherusStromatopteris e aproximadamente 150 espécies.
  • Ginkgoaceae ⇒ Gênero Ginkgo, Kaulfuhs – o nome é uma adaptação latina da palavra chinesa para essa gimnosperma. A maioria das plantas encontram-se extintas, restando apenas a espécie Gingko biloba L., 1771. Tem como autoridade descritiva Michel Adanson cuja abreviatura padrão é Adans.
  • Gnetaceae ⇒ Gênero Gnetum L. – vem do nome indu-malaio de uma árvore chamada gnemon (Gnetum gnemom). Família de Gimnospermas. Possui aproximadamente 35 espécies de árvores, arbustos ou lianas.
  • Goodeniaceae ⇒ Gênero Goodenia, J. E. Smith (goodénia) Homenagem a Samuel Goodenough, Bispo de Carlisle, Inglaterra (1743-1827) também botânico e colecionador amador. A família Goodeniaceae engloba os gêneros Anthotium, Coopernookia, Dampiera, Diaspasis, Goodenia, Leschenaultia, Pentaptilon, Scaevola, Selliera, Velleia, Verreauxia e aproximadamente 400 espécies.
  • Goupiaceae ⇒ Gênero Goupia , Aublet (goúpia). Etimologia não encontrada. Talvez um nome ”agringado” de Cupiúba (Gupiúba, Gupia) que são os nomes indígenas para essas árvores na amazônia. Mas é apenas uma viagem minha.

Vídeo para relaxar: Plantas Invasoras – Parte 2

  • Graminae  nome antigo das Poaceae, tratada mais na frente.
  • Gratiolaceae ⇒ Gênero Gratiola, Lineu? (gracíola). Etimologia não encontrada, creio ser diminutivo de Gratia (grácia) do latim, gracioso, bonito, seria então ”gracinha”. Família recentemente desmembrada de Plantaginaceae.
  • Griseliniaceae  Gênero Griselinea – Etimologia não encontrada – pequena família desmembradas de Cornaceae da América do Sul e Nova Zelândia. Possui apenas o gênero Griselinia e as espécies G. carlomunozii, G. jodinifolia, G. racemosa, G. ruscifolia, G. scandens, G. littoralis e G. lucida.
  • Grossulariaceae  Gênero Grossularia, Tourn. e Adams. do latim, grossularia (grossulária), a groselha. Hoje o gênero se chama Ribes. As groselhas são Ribes sp. e faltam na nossa flora. Família desmembrada das Saxifragaceae. A família Grossulariaceae engloba aproximadamente 25 gêneros e 350 espécies de hábito arbustivo, arbóreo e mais raramente subarbustivo.
  • Gunneraceae   Gunnera é homenagem ao botânico norueguês Johann Ernest Gunnerus (1718-1773). Engloba apenas o gênero Gunnera e aproximadamente 62 espécies de hábito herbáceo. A família Gunneraceae tem como autoridade descritiva Carl Meissner cuja abreviatura padrão Meisn.
  • Guttiferae  nome antigo das Clusiaceae. O nome vem do malaio para uma goma usada em odontologia e outros fins, a guta-percha e não tem nada a ver com o latim gutta, gota (guttata, com gotinhas).

Letra H

  • Haemodoraceae (Hémodoráceé) Gênero HaemodorumJ. A. Smith (hémódorum). Nome estranho derivado do grego Haima (héma) = sangue. Devido à cor de sangue de certas espécies. Engloba aproximadamente 21 gêneros e 116 espécies. Tem como autoridade descritiva Robert Brown cuja abreviatura padrão é R. Brown.
  • Haloragaceae  Gênero HaloragisJ.R. e G. Foster (Halorráguis). Outro nome meio esquisito baseado no grego Halós = sal, mar, e Rhagós = broto, semente, pevide. Sementes marinhas? Sementes salgadas? São todas plantas terrestres ou de água doce como o conhecido pinheirinho-d’água (Myriophyllum aquaticum). O gênero Gunnera foi desmembrado formando uma família a parte. Engloba os gêneros Glischrocaryon, Gonocarpus, Haloragis, Haloragodendron, Laurembergia, Loudonia, Meziella, Myriophyllum, Proserpinaca e aproximadamente 120 espécies. A família Haloragaceae tem como autoridade descritiva Robert Brown cuja abreviatura padrão é R. Brown.
  • Hamamelidaceae  Gênero HamammelisGronovius ex-Lineu (hamamélis). Do grego Hamma = junto, ao mesmo tempo + melos, meleion (melion) o fruto do melão. Não porque os frutos se pareçam com um melão, são capsulares e nada a ver, mas porque o hamamélis produz flores e frutos ao mesmo tempo como as Cucurbitáceas, o melão! Interpretação muito frouxa e pouco convincente. Engloba aproximadamente 30 gêneros e 90 espécies. Tem como autoridade descritiva Robert Brown cuja abreviatura padrão é R. Brown.
  • Heliconiaceae  Gênero Heliconia. O nome desse gênero é duvidoso pois alguns associam ao monte Hélikon, morada das Musas. Zeus e sua turma de imortais moravam no Olimpo, monte de 2.911 metros. Mas suas nove filhas com Mnemósine, uma de suas várias mulheres (Jupter era foda, mó garanhão!) moravam no Hélikon. As musas presidiam as artes (gregas) e certos conhecimentos, e eram todas irmãs para dizer que uma tem relação com outra. Daí o termo, fulana é a minha musa inspiradora. Clío, a história. Euterpe, a música (e não o palmito…). Thália, a comédia. Melpômene, a tragédia. Terpsíkore, a dança. Érato, a elegia. Polímnia, a poesia lírica. Calíope, a eloquência e poesia helênica. Uránia, a astronomia. Outra interpretação também do grego seria Helix, a hélice, devido a forma espiralada de muitas inflorescências dessas plantas. Família desmembrada das Musaceae junto com Strelitziaceae. Possui apenas o gênero Heliconia englobando aproximadamente 250 espécies rizomáticas. A família Heliciniaceae tem como autoridade descritiva Takenoshin Nakai cuja abreviatura padrão é Nakai.
  • Haenoderaceae  do grego, haima (héma) – hemograma, hematófago, etc + doron, dom, presente. Pela cor vermelha de sua flores, estranho…
  • Hernandiaceae  Gênero HernandiaLineu (hernándia), homenagem a Francisco Hernadez (1593 – 1600), naturalista da corte de Felipe II. O nome Hernandez corresponde ao português Fernandes e Fernando. Família pouco conhecida. A família engloba os gêneros Hazomalania, Hernandia, Illigera, Gyrocarpus e Sparattanthelium.
  • Hippocastanaceae  do grego, hippos, cavalo (hipódromo, hipopótamo, Hippeastrum, etc) + kastanon  castanha de cavalo. Família mais conhecida pela árvore castanheiro-da-índia (Aesculus hippocastanum) medicinal e ornamental. Engloba os gêneros Aesculus, Billia, Handeliodendron e aproximadamente 20 espécies arbustivas ou arbóreas.
  • Humiriaceae ⇒ Gênero Humiria, St. Hil. (humiria); de houmiri ou umiri, nome nativo de algumas dessas plantas aromáticas de origem antilhana e guianense. Família predominantemente amazônica e também na África. Uchi e umiri são fruteiras dos quintais do norte.Engloba os gêneros Duckesia, Endopleura, Hylocarpa, Humiria, Humiriastrum, Sacoglottis, Schistostemon, Vantanea e aproximadamente 50 espécies. Tem como autoridade descritiva Adrien-Henri de Jussieu cuja abreviatura padrão é A.Juss.

Notas rápidas:

  1. Hirta, hirtum – coberto de cerdas finas e macias.
  2. Humilis (húmilis) – humilde, simples.
  • Hydnoraceae  Gênero HidnoraThunberg (hidnóra), do grego, hydnon, trufa, um tipo de cogumelo – as estranhas flores dessa família de plantas holoparasitas de raízes lembram fungos. Engloba os gêneros Hydnora e Prosopanche.
  • Hydrangeaceae   Gênero Hydrangea, Lineu (hidrángea), do grego hydros, água, + aggion ou aggeion, vaso – vaso de água, pote, cântaro. Não sabemos a ligação dessa palavra com o gênero. Olhando os frutos de Hydrangea paniculata lembram pequenas ânforas ou bilhas (pote de água). Seria baseado nesse pequeno detalhe? Família desmembrada de Saxifragaceae. São as populares hortênsias. Engloba os gêneros Broussaisia, Cardiandra, Decumaria, Deinanthe, Dichroa, Hydrangea, Kirengeshoma, Pileostegia, Platycrater, Schizophragma,, Carpenteria, Deutzia, Fendlera, Fendlerella, Jamesia, Philadelphus e Whipplea. Tem como autoridade descritiva Barthélemy Charles Joseph Dumortier e a abreviatura padrão Dumort. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Hortênsia

Hortênsia
Hortênsia

Uma espécie de floral pertencente à família hydrangeaceae, nativa do Japão e China, cujo nome científico é hydrangea macrophylla. É amplamente cultivada em muitas partes do mundo em muitos climas. A inflorescência da hortênsia é um corimbo, com todas as flores colocadas em um plano ou um hemisfério ou mesmo uma esfera inteira em formas cultivadas. Dois tipos distintos de flores podem ser identificados: flores férteis centrais não ornamentais e flores ornamentais periféricas, geralmente descritas como “estéreis”.

  • Hydrocharitaceae  Gênero HidrocharisLineu (hidrócaris), do grego, hydros, água + káriskáritos, que reluz, que enche de alegria e graça. São ervas pequenas subaquáticas de flores humildes e portanto não sei de onde Lineu tirou tanta graça e alegria. Citamos essa família por constar nas famílias citadas pela listagem APG no Brasil. Engloba aproximadamente 18 gêneros e 140 espécies herbáceas aquáticas.
  • Hydroleaceae ⇒ Gênero Hydrolea (hidrólea). Descobri apenas a raiz Hydro. Talvez aquilo que habita as águas pois são plantas de lugares alagados. Engloba o gênero Hydrolea e as espécies Hydrolea elatior Schott, Hydrolea palustris (Aubl.)Raeusch. Hydrolea spinosa L.
  • Hypericaceae  Gênero Hypericum, Lineu (hipéricum) Grego, hypó = sob, debaixo + erikón = érica, urze, da família Ericaceae. Os gregos davam o nome de Hypéricon para uma planta que crescia sob a proteção das urzes. Hypérikon, nome dessa planta para a erva-de-são-joão (Hypericum perforatum). São ervas predominantemente europeias, mas com algumas espécies para o sul do Brasil. Usadas como flor de corte para adensar os buquês. Engloba os gêneros CratoxylumEliea, Harungana, Hypericum, Lianthus, Santomasia, Thornea, Triadenum, Vismia e aproximadamente 590 espécies.
  • Hypoxidaceae ⇒ Gênero Hypoxis, Lineu (hipócssis), do grego hüpó, debaixo, abaixo + ókcis, agudo, pontiagudo, ponta. Olhando para os curcúligos ou as pequenas Hypoxis sp. (tiririca-de-flor) não conseguimos deduzir e aplicar esse nome. O que poderia ser agudo e que vem debaixo? As inflorescências ainda fechadas protegidas por brácteas aguçadas? Ou são detalhes sutis percebidos só por Lineu, ou o grande botânico viajava bastante pelo seu mundo mental… Família do curcúligo. Curiosidade: essa família filogeneticamente é a ancestral da família Orchidaceae! tem como autoridade descritiva(). Engloba os gêneros Curculigo, Empodium, Hypoxidia, Hypoxis, Molineria, Pauridia, Rhodohypoxis e 220 espécies de hábito.

Letra I

Trimezia juncifolia (Klatt) Benth. & Hook., família Iridaceae.
  • Icacinaceae  Gênero Icacina, A. Jussieu (icácina), vem do gênero Icácina que seria diminuitivo de icaco, portanto icácino quer dizer ”icacózinho’‘  (de icacó, nome de uma planta, Chrysobalanos icaco. ), Família desmembrada de Chrysobalanaceae. Por sua vez as Chrysobalanaceae já foram tratadas outrora em Rosaceae. Engloba aproximadamente 52 gêneros e 400 espécies de hábito arbóreo ou arbustivo. A família Icacinaceae tem como autoridade descritiva John Miers cuja abreviatura padrão é Miers.
  • Illiciaceae  nome do anis-estrelado Illicium verum, por sua vez o latim Illicium quer dizer incitante devido às propriedades do anis. Família desmembrada das Magnoliaceae. Pelo sistema APG II Illiciaceae é tratada como parte da família Schisandraceae. Tem como autoridade descritiva Albert Charles Smith cuja abreviatura padrão é A.C.Sm. Engloba o único gênero Illicum abrangendo as espécies Illicium verum, Illicium floridanum, Illicium henryi, Illicium parviflorum e Illicium anisatum.

Notas rápidas:

  1. Ionantha  flor violeta, roxa, ou semelhante a Viola odorata (Violaceae), a violeta.
  2. Ion (Íon) grego – roxo, violeta.
  3. Inundata – que inunda, que vive nos alagados, que sofre inundação (termo geralmente aplicado para a vegetação ripária).
  4. Intumescens – intumescente, que aumenta de volume.
  • Iridaceae  Gênero Iris, Lineu, do grego íris, o arco-iris, devido às múltiplas cores que essa família apresenta em sua flores passando do branco puro para o atropurpúreo quase negro, e do vermelho ao roxo, não faltando flores multicoloridas como em Sparaxis sp. Possui as subfamílias Isophysidoideae, Patersonioideae, Geosiridoideae, Aristeoideae, Nivenioideae, Crocoideae e Iridoideae englobando aproximadamente 70 gêneros e 2.000 espécies. A família Iridiaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Letra J

  • Juglandaceae ⇒ Gênero JuglansLineu (iúglans), do latim, Jovis, o nome dado para Júpiter + glansglandis, a glande do pênis, glande de Júpiter. Esses romanos…eram obcecados por sexo! hahahaha! Família da nogueira (Juglans regia). Engloba os gêneros Alfaroa, Annamocarya, Carya, Cyclocarya, Engelhardia, Juglans, Oreomunnia, Platycarya, Pterocarya e aproximadamente 50 espécies.

Notas rápidas:

  1. Jasminiflora  flores que lembram o jasmim no formato.
  • Juncaceae ⇒ Gênero Juncus, Lineu (iuncus), do latium juncus (iuncus), o junco, que por sua vez parece vir de jungere, reunir, unir, devido às utilidades da planta que se faz artesanatos e utilitários como tapetes, cestas, esteiras, com suas fibras unidas. Tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.. Engloba os gêneros Distichia, Juncus, Luzula, Marsippospermum, Oxychloë e Rostkovia.
  • Juncaginaceae  Gênero Juncago, P. C. Fabricius (iúncago) – hoje esse gênero é TriglochinLineu. Do latim Juncus, Junci, o junco + Ago, Agere = agir, tratar, conduzir. Não dá pra entender o sentido da família, são ervas palustres e aquáticas que nada tem de semelhante aos juncos exceto pelo habitat. Engloba os gêneros Triglochin, Lilaea, Maundia, Tetroncium e aproximadamente 35 espécies. Tem como autoridade descritiva Louis Claude Richard cuja abreviatura padrão é Rich.

Letra K

  • Krameriaceae  Gênero Krameria, Loefling (craméria), homenagem a John Georg Heinrich Kramer (1744). Não achamos nada sobre essa pessoa. Krameria foi um gênero e subfamília de Leguminosae, atual Fabaceae. Essa família diferente e pouco conhecida parece fazer uma transição entre Polygalaceae Fabaceae, mas apesar disso está na ordem Zygophyllales junto com as Zygophyllaceae tão desconhecidas quanto. Engloba o gênero Krameria e 17 espécies de hábito arbustivo ou herbaceo.  Tem como autoridade descritiva Barthélemy Charles Joseph Dumortier e a abreviatura padrão Dumort. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Letra L

Struthanthus flexicaulis (Mart. ex Schult.), Loranthaceae
 
  • Labiataceae (Labiátaceé Plural latino de labiatalabiatum = aquilo que tem lábio, pelo formato fortemente zigomorfo* de suas flores. O equivalente botânico para lábio em grego é kheîlos (quílos) que não deve ser confundido com khýlon = mil (quilômetro, mil metros, quilópodes, mil patas – os embuás). O nome atual dessa família é Lamiaceae, nome extraído do gênero Lámium (do grego, lámios, garganta, goela, fauce). Por sua vez, a atual família Lamiaceae possui aproximadamente 23 gêneros e 232 espécies. Tem como autoridade descritiva Ivan Martinov cuja abreviatura padrão é Martinov.

Lavanda

Lavanda
Lavanda

Diferente do que já falamos sobre a alfazema, que deveria verdadeiramente ser referência de apenas uma espécie de lavanda, aqui sim falamos de todo o gênero de 47 espécies conhecidas de plantas com flores da família lamiaceae. As flores podem ser azul, violeta ou lilás nas espécies selvagens, ocasionalmente roxo ou amarelada.

  • Lauraceae  do latim, lauruslauri, o louro, o loureiro Laurus nobilis. Vem desse nome o termo ”laureado” ou seja, premiado, coroado. Na antiga Grécia uma coroa feita das folhas de louro era posta na cabeça dos vitoriosos e podemos ver essas imagens ainda hoje nas pinturas e moedas porque o louro sempre foi o símbolo da nobreza na civilização ocidental de que fazemos parte. Há muito o que se ler sobre as lendas e curiosidades dessa planta mítica que vai muito além de um tempero para o feijão. Rapidamente podemos contar que essa planta era dedicada ao deus Apolo. Lindo e sedutor, além de um garanhão de marca maior, esse deus costumava perseguir por amor homens e mulheres mortais. Um dia Dáfne, uma das ninfas de Diana se viu perseguida por Apolo que queria ter relações com ela de qualquer maneira, e a ninfa desesperada pediu ajuda ao Olimpo. Vendo a aflição da garota os piedosos deuses a transformaram num pé de louro, e assim nasceu a planta! Bonzinhos os deuses não! Engloba aproximadamente 45 gêneros e 2.850 espécies de hábito arbustivos ou arbóreo. A família Lauraceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Lecythidaceae  do grego lekythos (lecitos) = vaso, urna. Basta ver o formato das sapucaias. tem como autoridade descritiva(). Engloba aproximadamente 25 gêneros e 300 espécies arbóreas lenhosas. A família Lecythidaceae tem como autoridade descritiva Achille Richard cuja abreviatura padrão é A.Rich.
  • Leguminosae (leguminósé plural de Leguminosa, de legúmen, a tipo de fruto feito a vagem. Hoje se chamam Fabaceae = do latim faba, as favas. Muitos autores costumam tratar as divisões dessa grande e importante família como famílias independentes ou sub-famílias, quer dizer, divisões filogenéticas, agrupamentos genéticos da família. A botânica atual conserva como sub-famílias e assim sendo temos três:
  1.  – Leguminosae-Caesalpinoideae  de Andréa Caesalpini, botânico italiano (pronuncia-se Césalpini)
  2.  Leguminosae-Mimosoideae  do latim, mimosusmimosum = aquilo que imita ou arremeda.???, quem sabe do grego, mímosmímetos, imitador (mimetismo).
  3. Leguminosae-Papilionaceae  do latim, papiliopapilionis, as borboletas.
  • Lemnaceae  do grego, lemna, nome da lentilha d’água.
  • Lentibulariaceae  do latim, lentibulus (lentíbulus) diminuitivo da palavra lenslentis, a lente, que deu lentilha,  pela forma dos utrículos dessas plantas insetívoras aquáticas também chamadas de Utriculariaceae. Por sua vez utrícum é dininuitivo de útero. Engloba os gêneros GenliseaPinguiculaUtricularia e 340 espécies de plantas carnívoras. A família Lentibulariaceae tem como autoridade descritiva  Louis Claude Richard cuja abreviatura padrão é Rich.
  • Liliaceae  do grego leilion (lílion), o lírio. De acordo com os estudos etimológicos essa palavra não é de origem grega, foi apenas apropriada, da mesma maneira que Laurus. Já existia entre as línguas do Mediterrâneo antes dos gregos. Engloba aproximadamente 16 gêneros e 635 espécies. A família Liliaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Notas rápidas:

  1. Laxiflora (lakssiflora)  flores frouxas, afastadas, poucas flores.
  2. Leucantha  flor branca.
  3. Liliflora  flor semelhante ao lírio branco.
  4. Longicaulis – caule longo, comprido.
  5. Longiflora – flor longa.
  • Linaceae  do latim linumlini, o linho. Engloba os gêneros AnisadeniaCliococcaHesperolinonLinumRadiolaReinwardtiaSclerolinonTirpitzia e aproximadamente 250 espécies arbustivas ou herbáceas.
  • Loasaceae  parece que foi extraído de um nome popular dessa planta chamada Loása. Essa família foi tratada antigamente como uma família irmã das Passifloraceae, mas a botânica moderna as distanciou bastante, separando assim as irmãs. Engloba os gêneros Blumenbachia, Caiophora, Cevallia, Eucnide, Fissenia, Fuertesia, Gronovia, Klaprothia, Loasa, Mentzelia, Petalonyx, Plakothira, Schismocarpus, Scyphanthus e aproximadamente 265 espécies herbáceas. A família Loasaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Lobeliaceae  do nome do botânico Mathias L’Obel (1538-1616). Há quem pensa que vem de lobo, mas lobo é lupus em latim (Lunipus sp.) e lykós em grego (Licântropo, homem-lobo, lobisomem). Engloba os gêneros Lobelia, Monopsis, Trimeris, Pratia, Hypsela, Isotoma e aproximadamente 375 espécies de hábito herbáceo, arbustivo e mais raramente arbóreo.
  • Loganiaceae  James Logan foi nos tempos coloniais americano governador da Pensilvânia. Engloba aproximadamente 13 gêneros e 600 espécies de hábito (números bastante variáveis devido a diversas alterações ocasionadas por estudos ao longo dos anos).

Notas rápidas:

  1. Leuco (grego Leukós) – branco.
  2. Lucidum, lucidus (lúcidus) – lúcido, claro, brilhante, luminoso, cintilante.
  3. Luteo (lúteo) latim – amarelo, cor da luz.
  • Loranthaceae  do grego, lóros, a correia (feita de couro) e ánthos, flor (por isso uma infinidade de nomes terminados em ”anthus”). Pela consistência coriácea de certas flores da família. Seria interessante conhecer melhor tais flores. Família de plantas hemi-parasitas chamadas vulgarmente de ”ervas-de-passarinhos”. Engloba aproximadamente 75 gêneros e 1.000 espécies. A família Loranthaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Lycopodiaceae  do grego, likós, lobo + podós, pé, pata (podólogo, podorcarpo). São os licopódios, pteridófitas que se parecem com coníferas em miniaturas, muitas tem brotações que lembram os pés peludos dos lobos. A família Lycopodiaceae engloba aproximadamente 16 gêneros e 400 espécies de hábito.
  • Lythraceae  do grego líthron, coágulo, sangue coagulado! Certas espécies de Lithraceae teriam flores cor de sangue-pisado. Engloba aproximadamente 30 gêneros e 600 espécies de hábito arbustivo, subarbustivo e arbóreo. A família Lythracea tem como autoridade descritiva Jean Henri Jaume Saint-Hilaire cuja abreviatura padrão J.St.-Hil.

 

Diplusodon virgatus (Pohl)
Diplusodon sessiliflorus (Koehne)
Lafoensia pacari (St.-Hil.)

 

 

* Ver sobre Flores Zigomorfas, vale a pena. (nota do autor)

Letra M

Camarea ericoides (A.St.-Hil), Malpighiaceae
  • Magnoliaceae ⇒ de Pierre Magnol, botânico francês que foi diretor do Jardim Botânico de Montpellier (1638 – 1715). Engloba aproximadamente os gêneros Kmeria, Magnolia, Manglietia, Pachylarnax, Elmerrillia, Michelia, Liriodendron e aproximadamente 220 espécies. A família Magnoliaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Magnólia

Magnólia
Magnólia

Magnólia é um grande gênero com mais de 200 espécies de plantas com flor na família magnoliaceae. Em geral, o gênero magnolia atrai o interesse hortícola. Algumas florescem bem cedo na primavera, antes de as folhas se abrirem. Outras florescem no final da primavera ou início do verão. A hibridação tem sido imensamente bem sucedida em combinar os melhores aspectos de diferentes espécies para dar às plantas que florescem uma idade mais precoce do que as espécies-mãe.

  • Malpighiaceae  do médico e botânico italiano Marcello Malpighi (1628 – 1693). Engloba aproximadamente 73 gêneros e 1.300 espécies arbóreas, arbustivas ou lianas.  A família Malpighiaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Malvaceae ⇒ latim malva, a malva, planta medicinal dos prados europeus. Possui aproximadamente 250 gêneros e 2330 espécies de hábito. A família Malvaceae, pelas novas regas do Angiosperm Phylogeny Group (APG), passou a englobar as antigas famílias SterculiaceaeTiliaceae e Bombacaceae. Tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Marantaceae  do nome de um médico e naturalista italiano Bartolomeo Maranta, por isso que Maranta não termina com ”antha” por que não é anthos, flor (Anthurium , flor com rabo, Agapanthus, flor do amor, Oligantha, poucas flores, Polyantha, muitas flores, Chrysantha, flores douradas, amarelas, etc.). Engloba aproximadamente 32 gêneros e 550 espécies. A família Marantaceae tem como autoridade descritiva Robert Brown cuja abreviatura padrão é R.Br.
  • Marcgraviaceae ⇒ homenagem ao naturalista alemão (dos bem antigos) Georg Marcgrave (1610 – 1644). Partiu desse mundo muito jovem com apenas 34 anos. Engloba os gêneros Marcgravia, Norantea, Souroubea, Ruyschia, Caracasia.
  • Martyniaceae  Homenagem a John Martyn, professsor da Universidade de Cambridge (1699 – 1769). Engloba os gêneros Craniolaria, Ibicella, Martynia, Proboscidea e aproximadamente 20 espécies. A família Martyniaceae tem como autoridade descritiva Paul Fedorowitsch Horaninow cuja abreviatura padrão é Horaninow.

Notas rápidas:

  1. Macrantha – flor grande.
  2. Macrocarpa, macrocarpum (grego) – fruto grande.
  3. Macrorrhizos (macrorrhiza) – grego (raiz grossa).
  4. Micrantha – flor pequena.
  5. Multiflora – muitas flores, floribunda.
  6. Myriantha – flores aos milhares
  7. Melano (mélas, mélanos) grego – negro, preto, escuro.
  8. Micranthus (grego) – flores pequenas, florzinhas.
  9. Montanus – das montanhas.
  10. Mucosa, mucosum – que tem muco ou semelhante ao muco.
  11. Muricata, muricatum – superfície com excrescências verrucosas ou espinescentes.
  • Mayacaceae  nome nativo (maiaka) de uma dessas plantas, mas não conseguimos dizer de que idioma local. São plantas neotropicais com uma única espécie na África. As maiacáceas são monocots de ambientes paludosos e aquáticos, podendo viver inclusive submersas, e o aspecto geral é de musgo, mas as flores são grandes e lindas, quase sempre rosadas. A família Mayacaceae tem como autoridade descritiva Karl Sigismund Kunth cuja abreviatura padrão é Kunth. Engloba o gênero Mayaca e as espécies Mayaca aubletii, Mayaca baumii, Mayaca boliviana, Mayaca brasilii, Mayaca carolinianam, Mayaca endlicheri, Mayaca fluviatilis, Mayaca kunthii, Mayaca lagoensis, Mayaca longipes, Mayaca madida, Mayaca michauxii, Mayaca sellowiana, Mayaca vandellii, Mayaca wrightii.
  • Melastomataceae (antes, Melastomaceae do grego, melas, preto, negro + stomastomatós, boca. Muitos frutinhos das Melastomatáceas tingem a boca de preto de quem come, como os frutos da pixirica.

 

Pterolepis repanda (DC.) Triana
Cambessedesia salviifolia (Cham.) A.B.Martins
Miconia ferruginata (DC.)

 

Trata-se de uma família bem representativa no domínio cerrado. Engloba aproximadamente 188 gêneros e 1320 espécies arbóreas, arbustivas, herbáceas e mais raramente lianas. A família Melastomataceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

    • Meliaceae  do grego, melia, nome do freixo (Fraxinus sp. – Oleaceae). Algumas meliáceas lembram essas árvores do Hemisfério Norte. Engloba aproximadamente 50 gêneros e 550 espécies de hábito arbóreo ou arbustivo. A família Meliaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Menispermaceae  do grego, menin, outro nome para a lua + sperma, semente. Sementes em forma de meia lua. A família Menispermaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Engloba aproximadamente 80 gêneros e 520 espécies, comumente lianas.
  • Monimiaceae  do grego, mónima, esposa (uma das) de Mitridates, rei do Ponto, um certo reino onde hoje seria a Pérsia ou Irã. Mitridates foi um dos muitos Sátrapas (governadores persas) que lutaram contra o poder expansivo de Roma. Engloba aproximadamente 28 gêneros e 200 espécies de hábito arbóreo ou arbustivo, mais raramente lianas ou escandentes. A família Monimiaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Ficus sp., Moraceae
  • Moraceae  Gênero Morus, do latim, morus, a amora, amoreira. A família Moraceae tem como autoridade descritiva Charles Gaudichaud-Beaupré cuja abreviatura padrão é Gaudich. Engloba aproximadamente 40 gêneros e 1217 espécies de hábito arbóreo, arbustivo liana e mais raramente herbáceo.
  • Moringaceae  é palavra de origem indiana para designar a espécie mais conhecida, Moringa oleífera, uma dessas árvores milagreiras que logo são esquecidas. A palavra não tem nada a ver com moringa, bilha de água. Engloba o gênero Moringa e aproximadamente 12 espécies. Tem como autoridade descritiva Ivan Ivanovich Martynov cuja abreviatura padrão é Martynov.
  • Musacea  Gênero Musa L. A versão mais aceita é a de que vem do árabe musah, a bananeira, mas pode-se interpretar como as Musas moradoras do Olimpo (falamos delas em Heliconiacea) e também há quem ligue a Antonius Musa, médico do imperador romano Otavius Augustus. Engloba os gêneros Ensete, Musa, Musella e aproximadamente 90 espécies. A família Musaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Myristicaceae ⇒ Gênero Myristica Gronov., origina-se do grego mýrra, mirra (Commiphora Jacq./Burseraceae), resina apreciada pela sua resina aromática. As resinas das Myrsinaceae são aromáticas como a mirra? Família da noz moscada Myristica fragrans e muitas outras plantas utilizadas como especiarias. A família  Myristicaceae engloba aproximadamente 41 gêneros e 440 espécies arbustivas ou arbóreas.
  • Myrsinaceae ⇒ Gênero Myrsine L., nome grego da murta comum Myrtus communis L., espécie de Myrtaceae. Nome utilizado por Lineu para uma espécie africana – Myrsine africana L. – cujas folhas assemelham-se às da murta. Engloba aproximadamente 41 gêneros e 1445 espécies.
  • Myrtaceae⇒ Gênero Myrtus L., quer dizer perfumado, aromático. As goiabas e suas congeneres possuem flores de agradável odor, muito apreciado pelas abelhas. Engloba aproximadamente 132 gêneros e 5950 espécies, arbóreas, herbáceas e arbustivas.
Eugenia punicifolia (Kunth) DC.
Campomanesia adamantium (Cambess.)
Psidium guineense (Sw. 1788)

Letra N

  • Naiadaceae   do grego Náiades, entidades das águas.
  • Nepenthaceae  Gênero Nepenthes L.; do grego nepenthes, uma espécie de poção para dissipar as mágoas causando o esquecimento. Tem a ver com a palavra nepenthós que é a negação de penthós, aflito,aflição, preocupação. Talvez porque a droga era servida em ânforas como os jarros (ascídias) das Nepenthaceae. Família de insectívoras exclusivamente paleotropical. A família Nepenthaceae tem como autoridade descritiva Barthélemy Charles Joseph Dumortier e a abreviatura padrão Dumort. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Engloba o gênero Nepenthes e aproximadamente 150 espécies.

Notas rápidas:

  1. Nanum – anão, pequeno.
  2. Neriiflora – semelhante ao Nerium oleander, espirradeira.
  3. Nigrum (latim) – negro, preto.
  4. Nitida, nitidus – nítido, brilhante, evidente.
  5. Niveus (níveus) latim – cor da neve, branco-neve.
  6. Nivosum, nivosus (latim) – nevado, coberto de neve.
  7. Nobilis – nobre.

Neea theifera (Oerst.), Nyctaginaceae
 
  • Nelumbonaceae  Gênero Nelumbo Adans., do indu-malaio nelumban, nome dessa planta na região. Para nós é o lótus que veio do grego lótos e mais tarde passou para o português como lódão, termo desusado no Brasil mas presente no português lusitano. Os lotófagos eram os habitantes (fictícios) de um país muito antigo da África cujo alimento básico eram os frutos do lótus e tão deliciosos eram esses frutos que os estrangeiros que os comiam se esqueciam de voltar pra casa… Família desmembrada das Nymphaeaceae mas ainda de posição incerta. Engloba o gênero Nelumbo e as espécies Nelumbo lutea Willd. e Nelumbo nucifera Gaertn.
  • Nyctaginaceae  do grego nyxnýktagos, a noite. As flores do nyctago (níctago) se abrem de noite. Esse gênero atualmente passou para Mirabilis (mirábilis, maravilha em latim) – Mirabilis jalapa, a conhecida maravilha de flores noturnas perfumadas. É a família da belíssima Bougainvillea spectabilis. A família Nyctaginaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Engloba aproximadamente 37 gêneros e 400 espécies arbóreas, subarbustivas, arbustivas ou herbáceas escanden.
  • Nymphaeaceae (Ninféaceé) ⇒ do grego, nympha (ninfa) que eram entidades das águas tipo ondinas e fadas que eles (os gregos) chamavam por náiades. De náiade saiu a família de monocotiledôneas Naiadaceae. A família Nymphaeaceae tem como autoridade descritiva Richard Anthony Salisbury cuja abreviatura padrão é Salisb. Engloba os gêneros Barclaya, Euryale, Nuphar, Nymphaea, Victoria e 70 espécies aquáticas dulcícolas.

Nenúfar

Nenúfar
Nenúfar

Este é um dos vários gêneros de plantas conhecidos comumente como lótus, mas não é o mesmo gênero da flor de lótus de quem já falamos aqui. Nenúfar, ou nymphaea, é um gênero de plantas aquáticas tenras e tolerantes na família nymphaeaceae. Muitas espécies são cultivadas como plantas ornamentais, e muitas cultivares foram criadas. Algumas ocorrem como espécies introduzidas onde não são nativas, e algumas são ervas daninhas. As flores de nenúfares saem da água ou flutuam na superfície, abrindo durante o dia ou à noite. Cada nenúfar tem pelo menos oito pétalas em tons de branco, rosa, azul ou amarelo. Muitos estames estão no centro.


Letra O

  • Ochnaceae  do grego, oknon, um tipo de pera selvagem. A ligação de pyrus (pera) em Rosaceae com Ochnaceae limita-se apenas à aparência das folhas.

  • Ouratea hexasperma (A.St.-Hil.) Baill., Ochnaceae

    Algumas Ochnaceae tem folhas semelhantes a certas pereiras selvagens. A família tem como autoridade descritiva Augustin Pyrame de Candolle cuja abreviatura padrão é DC. Engloba aproximadamente 33 gêneros e 550 espécies.

  • Olacaceae  do latim olaxolacis, que exala cheiro, perfume. Equivale ao grego osmos, perfume. Família a qual pertence os jasmins (Jasminum sp.) e o osmanto, plantas muito perfumadas, explicando o nome da família. Engloba aproximadamente 90 gêneros e 250 espécies de arvores, arbustos ou lianas. A família Olacaceae tem como autoridade descritiva Robert Brown e a abreviatura padrão R.Br. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Onagraceae  do grego, onosonagros, o burro selvagem, o jumento. Algumas Onagraceae tem as folhas que lembram as orelhas do quadrúpede. O gênero Onagra passou para Oenothera, e a família passou a se chamar Oenotheraceae. Em latim Enoteráceaes é Oenotheraceae. Vem do grego, oinos (Ênos) passando para o latim oenos, com o significado de vinho, daí enoteca, enologia, enófilo (apreciadores de vinho) que junto com a palavra theros (nome grego para fera, animal selvagem) quer dizer ”aquilo que amansa as feras”. Segundo consta, certas Oenotheraceae tem um cheiro de vinho em suas raízes esmagadas. Essas raízes eram dadas para as feras se acalmarem e leões ferozes se tornavam gatinhos ronronadores. Engloba aproximadamente 20 gêneros e 650 espécies herbáceas, arbóreas ou arbustivas. A família Onagraceae em como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Fúcsia

Fúcsia
Fúcsia

As flores do gênero fúcsia da família onagraceae são muito decorativas; elas têm uma forma de lágrima pendente e são exibidos em profusão durante o verão e outono, e todo o ano em espécies tropicais. Elas têm quatro sépalas longas e finas e quatro pétalas menores e mais largas; em muitas espécies, as sépalas são vermelhas brilhantes e as pétalas são púrpuras, mas as cores podem variar de branco a vermelho escuro, roxo-azul e laranja.

  • Oleaceae  do grego, olaios (Oléos) passando para o latim, olea (ólea) com o significado de oliveira, a azeitona. A família Oleaceae tem como autoridade descritiva Johann Centurius Hoffmannsegg e Johann Heinrich Friedrich Link cuja abreviatura padrão é Hoffmanns. & Link. Engloba aproximadamente 26 gêneros e nº espécies de hábito.

Notas rápidas:

  1. Oleraceus (oleracea) – das hortas, cultivado nas hortas.
  2. Oligantha  poucas flores.
  3. Orchidiflora  semelhante a uma orquídea.
  • Orobanchaceae  do grego, orobankon, uma erva conhecida pelos antigos como barba-de-bode, que não tem nada com o capim. Família de plantas de hábitos parasita podendo ser hemi-parasitas ou holoparasitas. São plantas de distribuição cosmopolita, muitas delas com flores lindas. A família tem como autoridade descritiva Étienne Pierre Ventenat cuja abreviatura padrão é Vent. Engloba aproximadamente 90 gêneros e 2.000 espécies.
  • Orchidaceae  do grego, órkhis, o testículo. Curioso nome tirado do gênero Orchis das regiões boreais da Europa e Eurásia.

Orquídeas

Orquídeas
Orquídeas

As orchidaceae são uma família diversificada e difundida de plantas com flores, muitas vezes coloridas e perfumadas, comumente conhecidas como a família das orquídeas. Elas são uma das duas maiores famílias de plantas com flores. A família engloba cerca de 6–11% de todas as plantas de sementes do mundo.

 

Epistephium sclerophyllum
Trichocentrum jonesianum
Epidendrum Secundum

 

Esse gênero contem duas túberas de reservas de alimentos, uma antiga mais murcha e uma nova criada como reserva futura, dando a impressão de um par de testículos e dessa maneira algumas espécies ganharam seus nomes alusivos a esse fato como Orchis militaris (saco de militar), Orchis mascula (saco de homem), testículo-de-cão em Portugal para Orchis morio, etc. Orquídea vem de ”semelhante aos testículos”. Fiquem espertos! A família Orchidaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Engloba as subfamílias Apostasioideae, Vanilloideae, Cypripedioideae, Orchidoideae, Epidendroideae, aproximadamente 850 gêneros e 20.000 espécies.

  • Oxalidaceae  do grego, oxális, a azedinha. Essa palavra é composta por óxosóxis, o vinagre + háloshális, o sal, pelo sabor azedo e meio salgado de diversas Oxalidaceae que comportam ácido oxálico dando o azedo característico dos trevos, das carambolas, do biri-biri e outras plantas. A família tem como autoridade descritiva. Engloba os gêneros Oxalis, Biophytum, Eichleria e aproximadamente 875 espécies. Alguns autores incluem os gêneros Averrhoa, Dapania, Sarcotheca e as 16 espécies que os compõem na família Oxalidaceae.

Letra P

Obs:. São mais de 140 as famílias com p de pato mas evidentemente nem todas tem interesse no grupo, a maioria são de algas e briófitas e também de fungos no tempo em que esses organismos eram tratados como vegetais.
Syagrus flexuosa (Mart.) Becc.

 

  • Palmaceae  de palma, tendo como plural palmae (pálmé). Carl Friedrich Philipp von Martius (1794/1868) assim designava as folhas das tamareiras e não ficou claro como os romanos ou gregos chamavam essas plantas. Esse naturalista alemão, que estudou no Brasil a nossa flora, tinha grande amor pelas palmeiras e as chamavam de ”as princesas do reino vegetal”. Essa família foi tratada como Arecaceae, seu nome atual, mas como é uma das mais tradicionais não poderíamos deixar de menciona-la nessa lista.
  • Pandanaceae  da palavra malaia pandang, nome dessas plantas no local de origem, Australásia. Algumas espécies são arvores que se assemelham a palmeiras, por isso geram confusão quando da necessidade de identificação. A família tem como autoridade descritiva Robert Brown  cuja abreviatura padrão é R. Brown. Engloba  os gêneros Freycinetia, Pandanus, Sararanga e aproximadamente 805 espécies.
  • Papaveraceae  do latim papaver (papáver), a papoula. A origem do nome é um tanto obscura e não é considerada genuinamente latina. Uma versão dada é que poderia ter vindo de papa ou papae, sopa. Conforme se ouve do passado, muitas mulheres romanas e francesas tinha por hábito colocar um pouco de sementes de papoula (Papaver somniferum L.) na sopa das crianças para elas dormirem longamente e poderem ter mais horas de trabalho (ou seira de lazer?). A família tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.  A família Papaveraceae engloba aproximadamente 42 gêneros, entre eles Arctomecon, Argemone, Bocconia, Canbya, Chelidonium, Dendromecon, Dicranostigma, Eomecon, Eschscholzia, Glaucium, Hunnemannia, Hylomecon, Macleaya, Meconella, Meconopsis, Papaver, Platystemon, Platystigma, Roemeria, Romneya, Sanguinaria, Stylomecon, Stylophorum e 775 espécies de hábito.
  • Papiolaceae  do latim papiliopapilionis, borboleta, família atualmente tradada como subfamília das Fabaceae (Papilionoideae ou Faboideae).
  • Passifloraceae ⇒ do latim passiopassionis (paixão, sacrifício) e flosfloris (flor). De acordo com o que temos, foi Lineu que notou a coincidência com as peças florais de uma flor de maracujá com a Paixão de Cristo, na sequência: Os 5 estames, as 5 chagas de Cristo; os 3 estigmas claviformes, os 3 cravos ou pregos na cruz; o circulo de estaminódios que rodeia o hipanto, a coroa de espinhos; as folhas seriam as lanças e as gavinhas o látego (chibata). Há ainda quem acrescente que as dez peças do perianto seriam as paradas da Via Crucis.
Mas de acordo com outras informações foram os jesuítas que batizaram o nome dos maracujás de passifloras. A família Passifloraceae engloba os gêneros Adenia, Ancistrothyrsus, Androsiphonia, Barteria, Basananthe, Crossostemma, Deidamia, Dilkea, Efulensia, Hollrungia, Mitostemma, Paropsia, Paropsiopsis, Passiflora, Schlechterina, Smeathmannia, Tetrapathaea, Tryphostemma, Viridivia e aproximadamente 630 espécies.
    • Pedaliaceae  do grego pedálion que se pode ligar a pedon, o remo. O nome deriva de uma planta de nome centinódia (centum, 100 + nodum, 100 nós, muitos nós) ou conhecida ainda por sempre-noiva ou erva-de-passarinho (mas não Loranthaceae). Provavelmente uma Pedaliaceae porque não achamos a planta. Essa família é conhecida apenas por Sesamum orientale, o gergelim da culinária árabe e japonesa (gomá). A família tem como autoridade descritiva Robert Brown cuja abreviatura padrão é  R.Br. Engloba aproximadamente 20 gêneros e 80 espécies.
    • Pentaphylacaceae  do grego Pentas, 5 + Phýlax, aquilo que protege, que dá proteção, referência para algumas brácteas. Essa família foi desmembrada das Theaceae. No Brasil ocorre apenas Ternstroemia  como a linda árvore das restingas Ternstroemia brasiliensis. Engloba aproximadamente 14 gêneros e 337 espécies. A família Pentaphylaceae tem como autoridade descritiva Adolf  Engler cuja abreviatura padrão é Engl.
Piper aduncum (L.), família Piperaceae
  • Peoniaceae (péoniceaceé)  do grego Paion (Péon) passado para o latim Paeon (Péon) ou Paeonius (Péónius), o médico dos deuses segundo o qual curou até o deus Marte ferido. A família tem como autoridade descritiva Constantine Samuel Rafinesque cuja abreviatura padrão é Raf. Inclui apenas o gênero Paeonia L. e aproximadamente 38 espécies lenhosas ou arbustivas.

Peônia

Peônia
Peônia

A peônia é uma planta de floração no gênero paeonia, o único gênero na família paeoniaceae. Elas são nativos da Ásia, Europa e oeste da América do Norte. Elas têm folhas compostas, profundamente lobadas e grandes flores, muitas vezes perfumadas, em cores que vão do vermelho roxo ao branco ou amarelo, no final da primavera e início do verão.

  • Phytolaccaceae ⇒ Gênero Phytolacca L., do grego phyton (planta), e lacca (carmin), muitas das espécies da família apresentam em suas infrutescências uma coloração vermelho carmim. Tem como autoridade descritiva Robert Brown e a abreviatura padrão R.Br. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Engloba aproximadamente 18 gêneros e 65 espécies.
  • Picramniaceae ⇒ Gênero Picramnia Sw., do grego picros, amargo, amargura. São plantas cujas estruturas apresentam amargor que não deve ser muito agradável ao paladar dos aventureiros. Engloba os gêneros Alvaradoa, Nothotalisia, Picramnia e aproximadamente 46 espécies.
  • Piperaceae  do latim piper (píper), a pimenteira (Piper nigrum), pimenta-da-índia ou pimenta-do-reino. A família tem como autoridade descritiva Paul Dietrich Giseke cuja abreviatura padrão é Giseke. Engloba os gêneros Piper, Peperomia, Manekia, Zippelia, Verhuellia e aproximadamente 4.000 espécies.
  • Pinaceae  do latim pinus, o pinheiro. Gimnospermas. Engloba aproximadamente 11 gêneros e 250 espécies de hábito arbóreo. A família tem como autoridade descritiva John Lindley cuja abreviatura padrão é Lindley.
  • Pittosporaceae ⇒ do grego, pittos, resina + sporá, semente. Certas plantas dessa família tem as sementes envolvidas numa espécie de resina. Engloba aproximadamente 10 gêneros e 240 espécie. A família tem como autoridade descritiva Robert Brown e a abreviatura padrão R.Br. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Plantaginaceae  do latim, plantagoplantaginis (plantágo, plantáginis), a tanchagem, língua-de-vaca (Plantago major L). Engloba aproximadamente 120 gêneros e 1.900 espécies em sua maioria herbáceas. A família tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Verônica

Verônica
Verônica

Veronica officinalis é uma espécie de plantas de floração da família plantaginaceae. São nativas da Europa e da Ásia ocidental. Na América do Norte é uma planta introduzida mas que encontra-se atualmente amplamente naturalizada lá. São plantas escaladoras cujas flores aparecem em aglomerados axilares de 4 pétalas levemente soldadas na base, azul claro, lilás ou rosa, com costelas escuras, embora possam ser encontradas brancas com costelas cor-de-rosa.

  • Plumbaginaceae ⇒ do latim plumbum, o chumbo. O nome teria vindo da cor das flores de alguns plumbagos, mas que espécies teriam flores cinza? Engloba aproximadamente 30 gêneros e 1.000 espécies. Tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Trachyppogon spicatus (L.f.) Kuntze, Poaceae
  • Poaceae  do grego poa, erva, relva, o verde em referência aos pastos. São os capins, relvas e gramas, a cana-de-açúcar Saccharum sp., o arroz Oryza sp. e o trigo Triticum, L., o bambu Bambusa sp. e diversas outras espécies de importância econômica e cultural. Antiga Graminae. Possui aproximadamente 700 gêneros e 10.000 espécies. A família Poaceae tem como autoridade descritiva John Hendley Barnhart cuja abreviatura padrão é  Barnhart.
  • Podocarpaceae  do grego pouspódos, pé + kárpon, fruto. Podocarpus sp. apresenta um pedúnculo e as frutificações lembram um pouco um caju. Gimnospermas. Engloba aproximadamente 19 gêneros e 156 espécies de hábito. A família Podocarpaceae tem como autoridade descritiva Stephan Endlicher cuja abreviatura padrão é Endl.
  • Polemoniaceae  do grego pólemon, que por sua vez vem de pólemos, briga, guerra (…deu a maior polêmica). Era o nome de uma planta relativa à valeriana. Engloba aproximadamente 25 gêneros e 400 espécies de hábito. Família conhecida pela trepadeira Cobaea scandens. A família Polemoniaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Polygalaceae  do grego polýs, muito, bastante + gála, leite. Algumas espécies dessa família aumentariam o leite das vacas. A família Polygalaceae engloba os gêneros Atroxima, Balgoya, Barnhartia, Bredemeyera, Carpolobia, Comesperma, Diclidanthera, Epirixanthes, Eriandra, Monnina, Monrosia, Moutabea, Muraltia, Nylandtia, Polygala, Salmonia, Securidaca e aproximadamente 1.000 espécies de hábito herbáceas, arbustivas ou arbóreas.

Notas rápidas:

  1. Pauciflora – poucas flores.
  2. Paniculata – em forma de panícula (panícula = cacho formado por outros cachos).
  3. Pluriflora – muitas flores.
  4. Polyantha – muitas flores.
  5. Polygaliflora – semelhante à Polygala (Polygalaceae).
  6. Polystachia (polistáquia) – grego : muitas espigas.
  7. Pubiflora – flor pubescente, peludinha.
  8. Polyantha (grego) – muitas flores
  9. Psittacino(a) grego (psítakós = papagaio) relativo aos papagaios, semelhante a eles ou referente a eles.
  10. Puberula (puberulus) – com pelinhos suaves, macios.
  • Polygonáceae  do grego polýs, muito + gonós, joelho, articulação, encontro dobrável (polígono). Devido aos inúmeros nódulos dos caules dessa família como em Piperaceae. A família tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Engloba aproximadamente 50 gêneros e 1.250 espécies arbustivas, herbáceas, arbóreas ou lianas.
  • Polypodiaceae  do grego, polýs, muito, vários, bastante + pouspódos, pé , muitos pés, bastando ver os rizomas múltiplos de certos polipódios como nas samambaia-do-amazonas, samambaia-de-metro. Pteridófitas. Engloba aproximadamente 60 gêneros e 1.000 espécies.
  • Pontederiaceae  de Giulio Pontedero (1688 – 1577) professor e naturalista italiano. Família de ervas paludícolas ou aquáticas. Engloba os gêneros Eichhornia, Eurystemon, Heteranthera, Hydrothrix, Monochoria, Pontederia, Reussia, Scholleropsis, Zosterella e aproximadamente 20 espécies. A família Pontederiaceae tem como autoridade descritiva Karl Sigismund Kunth cuja abreviatura padrão é Kunth.

Vídeo para relaxar: Plantas alimentícias não convencionais:

  • Portulacaceae  do latim portulaca ou porcilaca, portula, diminutivo de porta, devido a forma como a flor desabrocha, como a sair através de uma porta. A beldroega. Segundo consta o próprio nome ”beldroega” seria consequência de Portulaca seguindo: portulacapoltrulacapeltrulacapeltrulecapeltrulegapeltruegabeldroega! A família Portulacaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Engloba os gêneros Amphipetalum, Calandriniam, Cistanthe, Dendroportulaca, Lenzia, Mona, Neopaxia, Portulaca, Schreiteria, Spraguea e aproximadamente 115 espécies. Alguns autores compreendem que a família possui apenas o gênero Portulaca.
  • Potamogetonaceae  do grego potamogétanon, aquilo vizinho do rio, vizinho da água (de potamós, rio). Família de ervas aquáticas submersas pouco conhecidas. A família Potamogetonaceae tem como autoridade descritiva Ludwig Reichenbach cuja abreviatura padrão é Rchb. Engloba aproximadamente 6 gêneros e 100 espécies.
  • Primulaceae  do latim primusprimaprimum – primeiro. As prímulas seriam as primeiras flores a despontar na primavera (que também trás a ideia de primeiro, primo vere, primeiro verão, o começo do verão para o romanos). A família Primulaceae engloba aproximadamente 70 gêneros e 2.700 espécies.

Prímula

Prímula
Prímula

Gênero de plantas com flores da família primulaceae, essas espécies e muitas outras são valorizadas por suas flores ornamentais. Elas foram extensivamente cultivadas e hibridizadas por muitas centenas de anos. As plantas florescem principalmente durante a primavera, com flores que aparecem frequentemente em umbelas esféricas em hastes robustas que surgem de rosetas basais de folhas; suas flores podem ser roxas, amarelas, vermelhas, rosa, azuis ou brancas.

Notas rápidas:

  1. Palmatum – em forma de palma, mão.
  2. Pardus (latim) – manchado, pintado (leopardo – leão pintado).
  3. Pentaphyllum (grego) – 5 folhas, que tem cinco folhas.
  4. Petiolatus (peciolatus) – peciolado, que tem pecíolos.
  5. Plumbea, plumbeus (plúmbeus) latim – cor de chumbo.
  6. Purpuratum, purpurtatus (latim) – cor púrpura, roxo avermelhado.
  7. Precatorius – para pregar, orar, pedir, rogar.
  8.  Pubescens – que é pubescente, que tem pelinhos.
  9. Pulchella (púlquela) – bonitinha, graciosa.
  10. Praecox (précóx) – precoce, novo.
  • Proteaceae  do grego, proteos, o deus Proteu das profecias, talento esse doado por Netuno, rei dos mares. E o que tem Proteu com as proteáceas? Proteu era perseguido por todos, que queriam saber suas profecias, seus destinos, e isso o incomodava muito. Para fugir a esse tipo de assédio mudava constantemente de forma para não ser reconhecido. As Proteaceae têm as flores que mudam facilmente de cor. Engloba aproximadamente 83 gêneros e 1.600 espécies de hábito. A família Proteaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Punicaceae  do latim punicus (púnicus), cartaginês, habitantes de Cartago, antiga e maravilhosa cidade africana da antiguidade fundada pelos Fenícios. Foram os cartagineses que deram de presente aos romanos, a fruta romã (Punica granatum). As Punicaceae atualmente passaram para as Lythraceae.

Letra Q

  •  Quiinaceae ⇒ Gênero Quiina Aubl., nome surgido da mesma raiz vernácula da quina (Quiina guianensis Aubl.). A família tem como autoridade descritiva Adolf Engler cuja abreviatura padrão é Engl. Engloba os gêneros Froesia, Lacunaria, Quiina, Touroulia e aproximadamente 50 espécies.

Letra R

Crumenaria choretroides (Mart. ex Reissek.), família Rhamnaceae
  • Rafflesiaceae  homenagem ao militar e estadista inglês Sir Thomas Stamford Raffles, governador da Ilha de Java quando tomada pelos ingleses e fundador da cidade de Singapura. Parece que era naturalista amador (1781-1826). A família tem como autoridade descritiva Barthélemy Charles Joseph Dumortier cuja abreviatura padrão é Dumort. Engloba os gêneros Apodanthes, Bdallophyton, Berlinianche, Cytinus, Mitrastemon, Pilostyles, Rafflesia, Rhizanthes, Sapria e aproximadamente 50 espécies, muitas delas têm a característica de exalar cheiro de carne podre.
  • Rhamnaceae  do grego rhámnos, o nome de uma planta dessa família (espinheiro-alvar). Pesquisando chegamos a Crataegus laevigata – Rosaceae, então… Engloba aproximadamente 55 gêneros e 900 espécies. A família Rhamnaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.
  • Ranunculaceae ⇒ do latim rana, a rã, ranunculus, ranúnculus – diminuitivo de rana, rãzinha. Devido ao hábito aquático de diversas espécies. Engloba aproximadamente 43 gêneros e 2.300 espécies. A família Ranunculaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a sua já conhecidíssima abreviatura padrão Juss.

Exemplo:

Acônito

Acônito
Acônito

Flor de acônito são roxas escuras a roxo azuladas, oblongas em forma de um elmo de guerra (capacete). Essa planta de floração pertence a família ranunculaceae, nativa e endêmica para a Europa Ocidental e Central. É cultivada em jardins por suas inflorescências parecidas com espigas e vistosas flores e é considerada uma planta venenosa.

Notas rápidas:

  1. Ramiflora – ramo de flores, ramalhetes.
  2. Racemiflora – que produz flores em racemos, cachos.
  3. Radiata – que tem raios, que irradia, que se estende de maneira radiada.
  4. Regina – relativo à rainha.
  5. Repens (répens) – rasteiro, rastejante.
  6. Rigidum – rígido, duro.
  7.  Rhodós (grego) – rosado, cor de rosa, a rosa.
  8. Rubriflora – flor rubra, vermelha.
  9. Rudis – rude, grosseiro, simples.
  10. Rutilans (latim) – rutilante, brilhante, fulgurante.
  11. Rufum, rufus (latim) marrom avermelhado, ruivo.
  12. Rugulasa, ruguloso – com pequenas rugas ou asperezas.
  13. Rubrum, rubrus (latim) – vermelho.
  14. Rupestris – rochoso, que habita as rochas.
  • Rapateaceae  família de monocotiledôneas de hábitos aquáticos e paludosos. Plantas altas mais de interesse taxonômico por serem pouco conhecidas. Não achamos o significado para essa família, se alguém puder colaborar será bem vindo. Engloba aproximadamente 16 gêneros e 100 espécies. A família tem como autoridade descritiva Barthélemy Charles Joseph Dumortier cuja abreviatura padrão é Dumort.
  • Rhabdodendraceae ⇒ do grego, rhábdos, bastão + déndron, árvore. Árvore de bastões, de varas. Engloba apenas o gênero Rhabdodendron Gilg & Pilg. e as espécies Rhabdodendron amazonicum (Spruce ex Benth.) Huber, Rhabdodendron gardnerianum (Benth.) Sandwith e Rhabdodendron macrophyllum (Spruce ex Benth.) Huber. A família tem como autoridade descritiva Ghillean Prance cuja abreviatura padrão é Prance.
  • Rhizophoraceae ⇒ do grego, rhiza, raiz + phóron, levar ou conter. Que comporta raízes, em alusão à grande quantidade delas em Rhizophora mangle, o mangue-vermelho. A família Rhizophoraceae engloba 16 gêneros e aproximadamente 20 espécies.
  • Rosaceae  do latim rosa, a roseira, a flor da roseira. A família Rosaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a sua já conhecidíssima abreviatura padrão Juss. Engloba aproximadamente 100 gêneros e 2.000 espécies, diversas delas com usos ornamentais e econômicos.
  • Rubiaceae  do latim, rubia (rúbia), a ruiva-dos-tintureiros ou garança (Rubia tinctorum) erva mediterrânea medicinal e usada para tingir (as raízes) tecidos de vermelho. Fornece a purpurina vegetal.

Gardênia

Gardênia

Gardênia é um gênero de plantas com flores da família rubiaceae, nativa das regiões tropicais e subtropicais da África, Ásia, Madagascar e Ilhas do Pacífico. As flores são solitárias ou em pequenos grupos, brancas ou amarelas pálidas, com uma corola tubular de 5-12 lóbulos (pétalas). Floração é de meados da primavera até meados do verão, e muitas espécies são fortemente perfumadas.

Psychotria deflexa (DC.)
Tocoyena formosa (Cham. & Schltdl.) K.Schum.
Alibertia sessilis (Vell.) K. Schum

A família Rubiaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu cuja abreviatura padrão é Juss. Engloba aproximadamente 611 gêneros e 13.150 espécies.

  • Ruscaceae  Gênero Ruscus L., do latim, ruscus, a gilbardeira (Portugal). Ruscus é cultivado eventualmente como planta de corte para floriculturas e mais raramente como ornamental em jardins como curiosidade. São plantas afilas constituídas de filocládios e desmembradas das Liliaceae. Não há Ruscaceae nativa no Brasil. A família Ruscaceae tem como autoridade descritiva. Engloba aproximadamente 26 gêneros e 475 espécies.
  • Rutaceae ⇒ Gênero Ruta L.do latim, ruta, o nome da arruda. O latim ruta contem a raiz grega para a palavra ”amargo”. Engloba aproximadamente 150 gêneros e 2.000 espécies, muitas delas com valor econômico, como o limão, a laranja e diversas outras do gêneros Citrus.

Letra S

Casearia rupestris (Eicheler), Salicaceae
 
  • Sabiaceae  o gênero sabia (sábia) vem do vocábulo sabdia que nada mais é que a corruptela da palavra soab, o nome da planta na região indo-malaia. A família tem como autoridade descritiva Carl Ludwig Blume cuja abreviatura padrão é Blume. Engloba os gêneros Meliosma, Ophiocaryon, Sabia e aproximadamente 160 espécies.
  • Saccolomataceae ⇒ Gênero Saccoloma Kulf., origina-se dos termos gregos sacco, saco, bolsa e loma, margem à margem de; referência os soros presentes nas folhas dessas pteridófitas.
  • Salicaceae  de salix (sálix), salici, o salgueiro, o chorão em latim. Lembramos aqui que o ácido acetil-salicílico (aspirina) foi um composto químico natural primeiramente isolado no salgueiro. Os povos antigos da Europa já conheciam o poder analgésico do salgueiro e mascavam as folhas para amenizar as nevralgias, a dor de dente, etc. A família Salicaceae tem como autoridade descritiva Charles-François Brisseau de Mirbel cuja abreviatura padrão é Mirb. Engloba aproximadamente 60 gêneros e 1.220 espécies.

Notas rápidas:

  1. Sativus (sativa, sativus) – plantado, cultivado.
  2. Scandens – escandente, que sobe, que trepa.
  3. Semperflora  sempre florida.
  4. Sessiliflora  flores rentes, com pouco ou sem pedúnculo.
  5. Sidifolia – semelhante às folhas de Sida sp. (Malvaceae).
  6. Speciosa, speciosum – belo, bonito.
  7. Strictiflora  flores estreitas.
  8. Subcordatum – meio cordiforme, meio em forma de coração.
  • Salviniaceae  de Antonio Maria Salvini, cientista italiano (1633 – 1729). Família de pteridófitas aquáticas flutuantes (Salvinia sp.). A família Salviniaceae tem como autoridade descritiva Ivan Ivanovič Martinov e a abreviatura padrão Martinov é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Engloba os gêneros Azolla, Salvinia e aproximadamente 20 espécies.
  • Santalaceae  do latim santalum (sántalum) que se apropriou do grego sántalon. Entretanto o próprio grego se apropriou da palavra em sânscrito para shándana, com a ideia de ”brilhar” não se sabe pelas folhas ou flores. A família é mais conhecida por Santalum album, o sândalo que produz perfume. As Santalaceae são todas elas hemi-parasitas e tem forte afinidade com Loranthaceae (ervas-de-passarinho). A família tem Robert Brown como autoridade descritiva, cuja abreviatura padrão é R.Br. Engloba aproximadamente 43 gêneros e 1.000 espécies.

Pouteria torta (Mart.) Radlk., Sapotaceae
  • Sapindaceae ⇒ do latim, sapo (sabão) em fusão com indus (da índia) – sapoindus sapindus, sabão-da-índia. Diversas espécies de Sapindus sp. contém substâncias saponáceas e se prestam para a lavagem de roupa, vide sabão-de-soldado (Sapindus saponaria). A família Sapindaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Engloba aproximadamente 138 gêneros e 2.000 espécies.
  • Sapotaceae  do espanhol zapota (pronunciando-se sapota) o nome indígena desses frutos na região de origem (México, América Central). O sapoti Manilkara zapota (L.) P. Royen. A família tem como autoridade descritiva o nosso já amigo íntimo Antoine Laurent de Jussieu e sua abreviatura padrão Juss. Engloba aproximadamente 50 gêneros e 800 espécies.
  • Sarraceniaceae ⇒ de Jean Antoine Sarrazin (ou Sarrasin) que foi um médico francês (Lyon) nascido em 1547 e falecido em 1598, e como todo médico da sua época era também naturalista e botânico. A família Sarraceniaceae é essencialmente de plantas carnívoras. Tem como autoridade descritiva Barthélemy Charles Joseph Dumortier cuja abreviatura padrão é Dumort. Engloba os gêneros Darlingtonia, Heliamphora, Sarracenia e aproximadamente 15 espécies.
  • Saxifragaceae  do latim saxosaxi (seixo, pedra) + fragere (frágere), quebrar, romper. Algumas espécies de Saxifraga são usadas como ”quebra-pedras” para os rins. A família tem como autoridade descritiva  Antoine Laurent de Jussieu e sua abreviatura padrão Juss. Engloba aproximadamente 30 gêneros e 580 espécies.
  • Scrophulariaceae  do latim scrophula (Escrófula). A escrofulose era uma doença antiga terrível que deixava a pessoa totalmente coberta de nódulos e verrugas. Uma dessas plantas tem as raízes assim, cheia de nódulos. Seguindo o princípio homeopático ”similia similibus curantur” – o semelhante cura o semelhante – essa planta era dada para os portadores de escrofulose. A família tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e sua abreviatura padrão Juss. Engloba aproximadamente 200 gêneros e 3.000 espécies herbáceas ou arbustivas.
  • Selaginellaceae ⇒  Gênero Selaginella Pal., diminutivo do gênero Selago L.; tem origem em um termo celta que significa “saúde dos olhos”, ou boa vista. Atribuíam os antigos à Selago corymbosa L. (Scrophulariaceae) propriedades benéficas aos cuidados da oftalmologia. Engloba aproximadamente 700 espécies.
  • Simaroubaceae ⇒ do indígena simaruba em certas regiões americanas. A família tem como autoridade descritiva Augustin Pyramus de Candolle cuja abreviatura padrão é DC. Engloba os gêneros Alvaradoa, Ailanthus, Brucea, Castela , Eurycoma, Holacantha, Leitneria, Picramnia, Picrasma, Quassia, Simarouba, Simaba e aproximadamente 5.800 espécies.

Notas rápidas:

  1. Sanguineus (sangüíneus) latim – vermelho cor de sangue.
  2. Setoso – que tem setas (flechas), pelos rígidos.
  3. Sinuata, sinuatum – sinuoso, com curvas.
  4. Sulphureus (sulfúreus) latim – amarelo enxofre, amarelo claro.
  5. Striatum – com estrias, faixas, listras.
  6. Spinescens – espinescente, que tem espinhos
  7. Squarrosa, squarrosum – que contém escamas ou parece com escamas.
  8. Suaveolens (suavéulens) – perfumado, fragrante.
  9. Sylvatica – Selvagem, silvestre.
  • Siparunaceae  não foi encontrado nada para essa família, fica em aberto as contribuições. Talvez venha de algum vocábulo nativo americano. Engloba os gêneros Glossocalyx, Siparuna e 75 espécies.

Smilax sp., Smilacaceae
  • Smilacaceae  do grego smílax, o nome da planta. Tem a ver com uma ninfa do mesmo nome que, apaixonada por um mortal, viu seu amado ser transformado numa espécie de videira (Smilax sp.). Família recentemente desmembrada das Liliaceae. A família Smilacaceae tem como autoridade descritiva Étienne Pierre Ventena cuja abreviatura padrão é Vent. Engloba os gêneros Smilax, Heterosmilax e aproximadamente 315 espécies herbáceas e subarbustivas escandentes.
  • Solanaceae  do latim solanum (solánum) . Vem de solamensoláminis que quer dizer alívio, conforto, consolação devido a diversas espécies calmantes de solanáceas. A família Solanaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e sua abreviatura padrão Juss. Engloba aproximadamente 100 gêneros e 2.700 espécies.
  • Strelitziaceae ⇒ homenagem a Louise Auguste Wilhelmine Amalie von Mecklenburg-Strelitz, rainha da Prússia (1776-1810). Dizem que era belíssima. Família desmembrada recentemente das Musaceae com apenas 3 gêneros: Phenakospermum (amazônico), Strelitzia (África do Sul) e Ravenala (Madagascar). A família Strelitziaceae tem como autoridade descritiva John Hutchinson cuja abreviatura padrão é Hutch. Engloba os gêneros Phenakospermum, RavenalaStrelitzia e as espécies Phenakospermum guyannense (A.Rich.) Endl. ex Miq. (1845), Ravenala madagascariensis Sonn. (1782), Strelitzia alba (L.f.) Skeels (1912), Strelitzia caudata R.A.Dyer (1946), Strelitzia juncea (Ker Gawl.) Link (1821), Strelitzia nicolai Regel & K.Koch (1858) e Strelitzia reginae Banks ex Aiton (1789).

Letra T

Typha domingensis (Pers.), Typhaceae
  • Taccaceae  de tacca, nome malaio para as espécies de plantas dessa família que atualmente está incorporada nas Dioscoreaceae. Essa família é conhecida pela ”flor-morcego” – Tacca chantrieri. 
  • Taxaceae  do latim taxus (tácssus) nome do teixo (Taxus baccata) – família de gimnospermas. A família tem como autoridade descritiva Samuel Frederick Gray cuja abreviatura padrão é S.F. Gray.  Engloba aproximadamente 12 gêneros e 30 espécies coníferas.

Notas rápidas:

  1. Tenuiflora  flores frágeis, delicadas.
  2. Thyrsiflora  flores em forma de um tirso. O tirso é uma inflorescência no formato de um pião voltado com a ponta pra cima.
  3. Triflora  que produz três flores.
  4. Tubiflora  flores tubuladas.
  5. Triplinervea – que tem 3 nervuras (ou principais ou apenas 3).
  6. Tomentosum – que tem tomento, pelinhos curtos e densos.
  7. Trunciflora  flores no tronco, cauliflora.
  8. Trinerve, trinervis – 3 nervuras.
  9. Truncata, truncatum – truncado, cortado, decepado.
  • Taxodiaceae  do latim taxodium, parecido com taxus. Nessa família está a árvore de maior diâmetro da Terra nos dias atuais, a famosa ”Árbol del Tule” uma espécie de cipreste de nome cipreste-de-montezuma (Taxodium mucronatum) do México. Essa árvore histórica tem a idade aproximada de 2.000 anos, 58 metros de circunferência e 14 metros de diâmetro. Gimnospermas. Família incorporada a Cupressaceae.
  • Theaceae ⇒ do chinês theh ou teh, o chá, tanto a planta quanto a bebida de Camellia sinensis. A família Theaceae tem como autoridade descritiva David Don cuja abreviatura padrão é D.Don. Engloba os gêneros Apterosperma, Camellia, Dankia, Franklinia, Gordonia, Laplacea, Pyrenaria, Schima, Stewartia, Tutcheria e 195 espécies. Pentaphylacaceae – Essa família foi desmembrada das Theaceae. No Brasil ocorre apenas Ternstroemia  como a linda árvore das restingas Ternstroemia brasiliensis. Engloba aproximadamente 14 gêneros e 337 espécies. A família Pentaphylaceae tem como autoridade descritiva Adolf  Engler cuja abreviatura padrão é Engl.

Camélia

Camélia
Camélia

As camélias formam um gênero de plantas da família theaceae, que varia atualmente entre 100 a 300 espécies reconhecidas taxonicamente e mais de 3000 híbridos. Existe portanto uma infinidade de arbustos floridos do gênero com muitas variações de formas e cores. Hoje as camélias são cultivadas como plantas ornamentais graças a sua floração, muitas com flores duplas ou semi-duplas.

  • Thymelaeaceae  do grego Thymelaia (thimeléa) nome que o personagem da história antiga, o grego Dioscórides deu para a planta dessa família de nome Daphne gnidium (em Portugal ”trovisco” e ”erva-de-joão-pires”. A pronúncia do tem grego equivale à letra theta com a mesma pronúncia que se tem no inglês e no espanhol da Espanha com a língua pra fora entre os dentes, som especial ausente no português. A família Thymelaeaceae tem como autoridade descritiva  Antoine Laurent de Jussieu e sua abreviatura padrão Juss. Engloba aproximadamente 50 gêneros e 900 espécies.
  • Tiliaceae  do latim tilia, a planta tília. Atualmente incorporada em Malvaceae.

Vídeo para relaxar: Plantas Invasoras – Parte 3

  • Trigoniaceae  do grego trígonos, triangular, triângulo. Alusão aos ovários trígonos das flores dessa família. A família Trigoniaceae tem como autoridade descritiva Adrien-Henri de Jussieu cuja abreviatura padrão é A.Juss. (não confundir com Juss. de Antoine Laurent de Jussieu, talvez aquele que mais tenha descrito famílias na botânica). Engloba os gêneros Humbertiodendron, Trigonia, Trigoniastrum, Trigoniodendron e aproximadamente 28 espécies.
  • Triuridaceae ⇒ do grego, trís (três) + ourá (urá), cauda, rabo, três caudas. Vendo uma flor de Sciaphila rubra entende-se o nome, mas é uma pequena família de monocotiledôneas saprófitas e aclorofiladas, praticamente desconhecidas e mal percebidas no interior das matas. Pode-se achar que são fungos. Engloba os gêneros Andruris, Hyalisma, Kihansia, Kupea, Lacandonia, Peltophyllum, Sciaphila, Seychellaria, Soridium, Triuridopsis, Triuris (números que variam conforme a fonte) e aproximadamente 55 espécies.
  • Tropaeolaceae (tropéoláceé) ⇒  diminuitivo tropaeulus para a palavra tropaeum (tropéum). Por sua vez é latinização do grego tropáion (tropéon) que é o troféu. De acordo com o que se segue a planta lembraria um troféu pela folha em forma de escudo e o elmo das flores! Hum…teríamos que ver a que espécie correspondente. Seria a capuchinha (Tropaeulum majus)? A família Tropaeolaceae tem como autoridade descritiva o célebre Carl Nilsson Linnæus, que tanto pode ser Carlos Lineu ou Carl von Linné ou mesmo Carolus Linnaeus e tem como  cuja abreviatura padrão nesse caso L.  Engloba os gêneros Magallana, Trophaeastrum, Tropaeolum e aproximadamente 80 espécies.
  • Turneraceae  homenagem ao médico, botânico e naturalista inglês Willian Turner (1509 – 1568). Engloba aproximadamente 10 gêneros e 90 espécies.
  • Typhaceae  do grego thýphon, nome que davam para certas algas de habitat paludoso. Bastante vaga a relação com as taboas. A família tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Engloba os gêneros Sparganium e Typha.

Letra U

  • Ulmaceae  do latim ulmus, o olmo (Ulmus sp.). A família Ulmaceae tem como autoridade descritiva Charles-François Brisseau de Mirbel cuja abreviatura padrão é Mirb. Possui os gêneros Ampelocera, Chaetachme, Hemiptelea, Holoptelea, Phyllostylon, Planera, Ulmus, Zelkova e aproximadamente 30 espécies.
  • Umbelliferae  de umbella, a sombrinha, guarda-chuva em latim. Devido à forma comum de inflorescências nessa família. Esse nome está em desuso e seu nome atual é Apiaceae.
  • Urticaceae  nome em latim ”urtica” de origem desconhecida, sendo a palavra equivalente ”urere”, queimar. A família Urticaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Engloba aproximadamente 53 gêneros e 2.625 espécies.
  • Utriculariaceae  do latim utriculum, diminuitivo de uter (úter), útero, mas mais precisamente o odre de carregar água e vinho, espécie de cantil feito de couro. Atualmente essa família se chama Lentibulariaceae.

Notas rápidas:

  1. Uniflora  uma só flor por inflorescência.

Letra V

  • Verbenaceae‎  Gênero Verbena L., não há consenso quanto a origem do vernáculo, alguns autores consideram ter origem do celta, outros do termo veneris vena, a “veia de Vênus”. Existe até um poema do poeta russo Igor Severyanin com esse título que diz mais ou menos assim (numa transliteração aproximada):

“Veneris Vena
Vervena, a veia de Vênus, Beba o amor nutrido! 
Eu canto com entusiasmo, corajosamente, Suas boas propriedades: Você é como Omela, Doença que você pode apontar, Os espíritos malignos são conduzidos a cavernas, Entre os guerreiros. 

Ah, os druidas te honraram, Tanto os magos como os galões antigos. Você não é a beleza do desfecho? As paixões em você não se apaziguam? Seu suco está cheio de esperma, E você limpa a casa, Dissipa as queixas, Flor mágica…”

e por ai vai cheio de lascívias…
A família Verbenaceae tem Jean Henri Jaume Saint-Hilaire como autoridade descritiva, cuja abreviatura padrão é J.St.-Hil. Engloba aproximadamente 34 gêneros e 1.035 espécies de lianas, herbáceas, arbustos ou arvoretas.

Hybanthus calceolaria (L.) Schulze-Menz, Violaceae
  • Violaceae ⇒ Gênero Viola L., nome em latim para a violeta (Viola odorata L.). Engloba aproximadamente 23 gêneros e 900 espécies herbáceas. A família Violaceae tem como autoridade descritiva August Batsch cuja abreviatura padrão é Batsch.

Violeta

Violeta
Violeta

Várias espécies popularmente conhecidas como violetas pertencem ao gênero viola, da família violaceae. A comumente conhecida como violeta africana não pertence a esse gênero, mas ao gênero santpaulia. Apesar da flores em seu tom violeta bonito e benquistas pra ornamentação, as plantas desse gênero são mais amplamente requeridas para fins medicinais.

  • Vitaceae‎  Gênero  Vitis L., nome em latim para a uva (Vitis vinifera L). Famílias das videiras. Da uva temos o vinho que embala muitos saraus e solidões e enamorados e… A família Vitaceae tem como autoridade descritiva Antoine Laurent de Jussieu e a abreviatura padrão Juss. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos. Engloba os gêneros Ampelocissus, Ampelopsis, Cayratia, Cissus, Clematicissus, Cyphostemma, Leea, Nothocissus, Parthenocissus, Pterisanthes, Pterocissus, Rhoicissus, Tetrastigma, Vitis, e Yua e 900 espécies  geralmente lianas.

Notas rápidas:

  1. Villosa, villosum – aspecto de veludo, aveludado.
  2. Viridiflora  flor verde.
  3. Violaceum, violaceus (violáceus) latim – roxo, violeta.
  4. Vittatum, vittatus (latim) com estrias, com faixas.
  5. Viridis (víridis) latim – verde.
  • Vochysiaceae‎  (voquisiácée)  O termo “vochysia” tem a sua origem em Vochy ou Vochi – da grafia original Uochí  – divindade mitológica difundida na tradição caribenha. Irmão de Amalivaca, com quem ora aparece contado como  gêmeo ora com diferença de idade, são os responsáveis, conforme a cultura dos tamanacos, pela criação do mundo e do ser humano. Segundo a tradição foram eles os responsáveis pela criação do rio Orinoco  e o seu importante delta – esse à partir de um caroço de buriti. Talvez por essa ligação mitológica com a botânica o nome de Vochy foi pela primeira vez utilizado por Jean Baptiste Christian Fusée-Aublet  em 1775 para nomear a espécie Vochy guianensis (Vochysia guianensis) que é a espécie base para a família. A família foi tema de publicação no Curvelo Fauna e Flora!

Letra W

Welwitschiaceae  Homenagem ao botânico da Áustria Friedrich Welwitsch. Família de um único gênero – Welwitschia – e de uma única mas incrível espécie:  o polvo-do-deserto Welwitschia mirabilis, Hook.f., que ocorre exclusivamente no deserto da Namibia e em Angola. Charles Darwin a chamou de “ornitorrinco do reino vegetal”, aí já dá pra imaginar o quão fantástica é essa espécie gênero família. A família tem Friedrich Markgraf como autoridade descritiva, cuja abreviatura padrão é Markgr.

Letra X

  • Xanthorrhoeaceae‎  xanthos = amarelo, rhoia (ροία) = fluxo, referência a coloração da resina amarelada produzida por algumas espécies da família. A babosa Aloe vera é a espécie mais representativa para nós tupiniquins. Inclui as subfamílias AsphodeloideaeXanthorrhoeoideae Hemerocallidoideae, 35 gêneros a aproximadamente 500 espécies. A família Xanthorrhoeaceae‎ tem como autoridade descritiva Barthélemy Charles Joseph Dumortier e a abreviatura padrão Dumort. é utilizada para determinar os taxa por ele descritos.

Letra Z

Hedychium coronarium (J. Koenig), Zingiberaceae.
 
  • Zamiaceae ⇒ Gênero Zamia L., possivelmente origina-se do grego azaniae, nome dado por Plinio a uma certa Pinaceae. A família tem como autoridade descritiva Paul Fedorowitsch Horaninow cuja abreviatura padrão é Horan. Engloba aproximadamente 8 gêneros e 150 espécies.
  • Zingiberaceae ⇒ Gênero Zingiber Mill., latinização do vernáculo hindu zengibel ou zingibel, nas pesquisas não encotramos o que o termo raíz realmente significa. Ficamos devendo… Engloba 53 gêneros e aproximadamente 1.200 espécies.

Similar Posts